• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - LITERATURA LITERALMENTE

LITERATURA LITERALMENTE

“Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem”.


Marisa Lajolo proferiu conferência na Academia Brasileira de Letras, abordando o tema: Leitura e literatura com certeza uma rima, talvez uma solução. A pesquisadora começa a fala apontando os pontos positivos de Dona Benta, na formação do leitor. A boa avó é leitora, faz releituras dos textos antes de contá-los para as crianças, leva-os para dentro das narrativas e abre o espaço para interferência de todos, no processo de produção de sentidos.

Todos sabemos da preferência de Lajolo pela obra infantil de Monteiro Lobato, porque o autor de Dom Quixote para Crianças adaptou clássicos da literatura universal para ampliar a leitura de Pedrinho e Narizinho, no Sítio do Picapau Amarelo; mas também pelo fato da obra servir de base para sua tese de doutorado, orientada pelo mestre Antonio Candido, na USP.

Chamou-me a atenção o fato das personagens estarem sempre envolvidas com leituras. O tempo todo tem livros na casa, no sono, no café da manhã, nas brincadeiras e nas festas. É este exemplo que a escola brasileira deve seguir. Abandonar o ensino das regras metalinguísticas de uma gramática normativa, que não é da língua brasileira. Destruir preconceitos linguísticos, que refletem as injustiças de um país escravista, injusto, violento. De maneira que possamos discutir dois pontos fundamentais: a formação do leitor/escritor e do sujeito capaz de comunicar, num mundo dominado pelo horrível silêncio, das redes sociais.

A leitura é uma rima sim! Uma rima com a esperança, com o encontro da indignação, com o abraço ao simbólico, bem no fundo humano. Sendo também a única solução para um sistema de ensino falido. Até a década de sessenta do século XX, a escola nacional servia a quarenta por cento da população. Só os privilegiados tinham acesso. As leis obrigaram a universalização. Estão quase todos na escolarização, no entanto, continuam excluídos da aprendizagem.

Outro motivo, por exemplo, é quantidade de componentes curriculares. No ensino médio, são doze ou treze componentes curriculares. Vistos superficialmente, sem profundidade teórica, nem prática. Pelo excesso, as redes esquecem a leitura. Consequência: Não se aprende o currículo e não se aprende a fazer inferência, entender o discurso, buscar a formação ideológica, ampliar a capacidade comunicativa do sujeito da aprendizagem.

O atual ministro da ‘justiça’ não lembra um livro, mas o país tem jeito. É só amar a literatura como a menina do conto Felicidade Clandestina.

 

TEXTO: PAULO RODRIGUES – Professor de literatura, poeta, escritor e autor de O Abrigo de Orfeu (Editora Penalux, 2017); Escombros de Ninguém (Editora Penalux, 2018).  

A PALAVRA


A palavra estancou dentro do poeta

E insiste em ficar lá por mais um tempo,

Só deixará seu casulo no momento

Em que o amor nascer n’alma deserta.

 

A palavra procura na poesia

O momento que a fará desabrochar.

A palavra deseja hermelivoar

No hermético peito de sangria.

 

A palavra carrega o significado

De um coração outrora amado

E que, no amor, experimentou o céu.

 

Hoje, vive num peito malogrado,

Tendo o seu destino pranteado,

Sangrando, dolorida, no papel.

Márcio Borges

(abril, 2019)

 

O DIA 25 DE ABRIL, DIA DELE! @CLELIOSILVEIRA


Há exatos 66 anos nascia Clélio Silveira Filho (MEU PAI). Sua história como a minha maninha @zabella relatou em um post no instagram, por mim daria um bom livro de superação e motivação. Sugiro que você passe por lá e conheça um pouco de sua história pelo olhar da filha "Bella", por um ângulo que talvez você nunca tenha visto. Enfim, eu como uma das filhas mais velhas também vivi muitos momentos com meu pai, e louvo a Deus por isso! Essas experiências ajudaram a construir o que sou hoje. Vou citar alguns... O bom gosto pela música, o entusiasmo naquilo que acredito, o prazer de fazer acontecer, a facilidade na comunicação com as pessoas, ah e claro que herdamos não só coisas boas, mas isso todos os dias tentamos melhorar com a ajuda de Deus! Hoje considero que o maior presente que eu poderia lhe dar era a graça de pegar no colo um rebento meu. E tá ai nosso presente a Alicia Vitória de Maria, com o vovô que ela tanto ama. Pai, admiro a sua força, resistência, coragem, fé e determinação. Eu te amo, nós te amamos. Receba um beijo no coração, de seu genro Alessandro, da Alicia E claro o meu!

PATRÍCIA SILVEIRA é jornalista, publicitária, editora da Revista Agora, colunista do Jornal Agora e faz parte da diretoria Comercial do Sistema Agora de Comunicação.


AS PIRUETAS DO “SILVEIRINHA”


Fazem 66 anos que o Silveirinha, vulgo meu pai, veio pra esse mundão muito louco ser gauche na vida e atrair gente por isso.

Que ironia!

Já vendeu picolé, bolinho de arroz pelas ruas da cidade quando tinha 7 anos. Já vendeu salgados, só nunca passou fome.

Estudou somente  até a terceira série, e mal.

Já deu ruim no álcool.

Já errou feio!

Levantou.

Tem mais de 50 anos de jornalismo.

Teve uma renca de irmãos.

Teve uma renca de filhos.

Têm uma renca de blazers, e, o mais importante:

Um coração arregaçado sempre pronto pra amar a vida e quem não desiste dela.

Eita, a labuta;

o nosso sangue não deixa desistir mesmo.

Minha avó, sua mãe, proibia.

A Dindinha também!

Capaz de dar uma pêa, até.

O samba não permite. Nem Roberto Carlos, nem Belchior, por mais sofrido que seja.

Eu não deixo.

Virou homem da igreja, canta e reza que nem padre.

Virou Comendador com direito a medalhas, títulos e diplomas  e professor de jornalismo, empresário respeitado e consultor político, arre!

Deu uma guinada de 720 graus na vida. Deu mesmo foi um baile na vida!

Pai, que benção. O quão honrada eu me sinto por trazer a humildade graças a ti.

Prometo tentar deixar ela se fazer sempre presente.

Que orgulho das nossas raízes Guajajaras.

Que orgulho por nossa admiração recíproca se confundir tantas vezes, como um tecido.

És o meu estímulo diário, e eu te desejo sempre longa vida.

Nunca antes fomos tão próximos, por mais distantes que estejamos morando agora um longe do outro.

Mais uma vez, ironia!

Cresço por mim, mas cresço por ti. E a gente cresce junto, já que ninguém é uma ilha.

Aprendi isso contigo, assim como tu aprendeu comigo a ser o melhor de todos, pelo visto.

Te amo na imensidão de todos os sentimentos possíveis.

Feliz ano novo. Vamos escutar Bituca esse final de semana mais Chico?

*Isabella Silveira ex-moradora de Santa Inês, é formada em Direito, modelo, atriz, cantora e contratada da Távola 4/ Mesa 42/ São Paulo / Brasil, onde reside atualmente. Tem mais de 128 mil seguidores no Instagram onde suas fotos  já foram vistas mais de 12,5 milhões de vezes.  @ZABELLA


LANÇAMENTO HOJE DE LIVROS DO PSIQUIATRA Ruy Palhano

Emérito colaborador deste Jornal, onde assina uma Coluna semanal, sendo ele um dos maiores psiquiatras brasileiros, lança em São Luís no próximo sábado, dia 27, mais dois livros de sua autoria com títulos bem sugestivos.  O lançamento de Crônicas do Cotidiano na Visão de Um Psiquiatra, e Álcool e Outras Drogas, Acidentes e Violência, serão lançados na parte da manhã, na Livraria e Espaço Cultural AMEI no Shopping São Luís, em São Luís das 10 às 12 horas. Melhor não perder.

 

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 27/04/2019

Visitas: 47

Palavras-chave: LITERATURA LITERALMENTE

Fonte:

Big Systems
4861967 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 23 do mês 08 de 2019