• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - Síndrome do Pânico

Síndrome do Pânico

Medo e pânico são duas palavras que andam em par, deflagradas sobretudo por crises de insegurança e ansiedade. A primeira é uma reação natural, fundamental para manter a vida e protegê-la. A segunda, uma deformação da primeira, uma anomalia, uma disfunção. A sensação de ambas, todavia, é muito parecida. Deixam o indivíduo em estado amplo de perplexidade, insegurança geral e sempre acompanhada de um mal-estar profuso e inexplicável. Transtorno do Pânico, que é a nomenclatura correta a ser aplicada a essa condição clínica, até bem pouco tempo era conhecida como síndrome do pânico.

A palavra “pânico” remonta da Grécia antiga, da figura mitológica do Deus Pan. Segundo a mitologia grega, Pan era um Deus extremamente feio (metade homem, metade cabra) vivia isolado entre as montanhas da Arcádia, para não ser visto pelas pessoas. Quando Pan aparecia na Ágora, onde as pessoas se reuniam, elas ficavam horrorizadas e desesperadas com sua presença.  Sentiam muito medo, pavor e muitos se tornavam desesperados, por isso o nome, pânico.

Nos últimos anos, inúmeros estudos e pesquisas tem sido desenvolvido, no mundo todo, com o intuito de se conhecer melhor a denominada “Síndrome do Pânico”, tanto nos aspectos clínicos, quanto os tratamentos psicológicos, biológicos ou psicossociais realizados para seu controle.

Historicamente, desde Freud, já havia aportações sobre a natureza dessa doença. Ele procurava analisar casos hoje caracterizados como doença de pânico e já na ocasião descrevia como “ataques de ansiedade”, incluídas na categoria das chamadas neuroses atuais. Em um desses casos, detectou um “retorno de experiência traumática relacionadas com algum acontecimento trágico do passado”. Mas as teorias psicanalíticas, mesmo depois de muito aperfeiçoamento, esbarram em sérias dificuldades para explicar por que os pacientes apresentam tais quadros clínicos.

Na atualidade, os mais importantes estudos sobre o Transtorno do Pânico ocorrem na área da Psiquiatria e das Neurociências, as quais explicam esse transtorno a partir de disfuncionalidade do sistema nervoso central, do ponto de vista, biológico e neuroquímico. Haveria, por assim dizer, uma disfunção acentuada e específica na regulação da ansiedade, em áreas especiais desse sistema (septo, amigda e hipocampo), que, em se alterando, produziria todos os sintomas hoje conhecidos que fazem parte da doença do Pânico.

Outra área muito importante que abriu fabulosos caminhos para sua compreensão, são os estudos de psicofarmacologia clínica, um capítulo da farmacologia encarregada dos medicamentos psicotrópicos, ou seja, medicamentos utilizados para o tratamento das doenças mentais, emocionais e comportamentais.

Outros avanços, importantes dessa matéria, se deram na abordagem psicológica no tratamento desses enfermos. Várias abordagens psicológicas são sugeridas para esse tratamento, no entanto, o que mais tem gerado melhores resultados é a terapia cognitivo-comportamental – TCC, ferramenta muito importante na recuperação desses enfermos, sobretudo quando essa técnica está associada ao tratamento médico. Outras abordagens, como as conductivistas ou comportamentais, behavioristas, psicanalistas, embora tenham suas importâncias não se revelam como as melhores estratégias terapêuticas para se tratar do pânico.

O Transtorno do Pânico (TP) é descrito como um período de intenso medo ou ansiedade, acompanhado de sintomas somáticos, psíquicos e comportamentais. Tem um início súbito e rapidamente atinge uma intensidade máxima em poucos minutos. A ansiedade, característica de um ataque de pânico, é intermitente, de natureza paroxística. Cada ataque, dura em média entre 25 a 30 minutos e mesmo que não haja uma intervenção, o ataque se encerra. O mal-estar é crescente, a ponto de, em apenas alguns minutos, o mesmo toma conta da pessoa, passando a sentir vários dos sintomas entre os elencados abaixo. Outra particularidade, é que, para se firmar o diagnóstico definitivo de Transtorno de Pânico, esses ataques deverão ocorrer no mínimo uma vez por semana associados aos outros requisitos, apontados acima. Eis, alguns dos seus sintomas:

1) Falta de ar (dispneia) ou sensação de asfixia

2) Vertigem, sentimentos de instabilidade ou sensação de desmaio

3) Palpitações ou ritmo cardíaco acelerado (taquicardia)

4) Tremor ou abalos

5) Sudorese

6) Sufocamento

7) Náusea ou desconforto abdominal

8) Despersonalização ou desrealização

9) Anestesia ou formigamento (parestesias)

10) Ondas de calor ou frio

11) Dor ou desconforto no peito

12) Medo de morrer

13) Medo de enlouquecer ou cometer ato descontrolado.

 

Há Transtorno do Pânico com ou sem agorafobia, que é um medo de estar em espaços abertos ou no meio de multidões. Agorafobia, muitas das vezes, é consequência de sucessivos tratamentos malsucedidos ou mal orientados, ou por uso inadequado de medicações, ou pelo fato da pessoa não ter tido a oportunidade de procurar   um especialista precocemente, antes mesmo da doença se cronificar.

Vale a pena lembrar que, para o médico formular o diagnóstico de Transtorno do Pânico de forma definitiva, faz-se necessário, a realização de exames clínicos e laboratoriais, para saber se o paciente não é portador de outras doenças, que podem provocar também ataques de ansiedade aguda.

 

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 09/11/2019

Visitas: 162

Palavras-chave: Síndrome do Pânico

Fonte: Por Ruy Palhano

Big Systems
5545674 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 13 do mês 12 de 2019