• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - COLUNA DO SILVEIRA 1487

COLUNA DO SILVEIRA 1487

“Deus no dá a vida. Muitas delas são perdidas por falta do zelo que temos que ter com ela e não temos. Nós, muitas vezes afrontamos a Deus quando não cuidamos da vida como devemos. É dever nosso cuidar bem da vida que Deus nos deu”. Do livro Gotas de Reflexão Espiritual I, de autoria deste colunista.

Olá, bom dia! Já estamos passando do meio do mês de março de 2020. O medo é o 31 de março, que nos remete a março de 1964. Aí o bicho pega! Pois bem, cá estamos nós com mais uma edição impressa, online e eletrônica do seu Jornal AGORA Santa Inês, esta a do meio de semana, que circula no meio do barulho do coronavírus que virou a cabeça da população mundial. O número dela é 1478 e hoje são 18 de março. Como vem sendo de costume, voi ter que arranjar outra página para mim. Aqui o espaço está cada vez mais pequeno, aí o jeito é encolher cada vez mais esta Coluna. Assim não dá! Espero que todos tenham um excelente dia que Deus nos abençoe a todos, hoje e sempre. Amém! 

E AGORA? GOVERNO PEDIRÁ AO CONGRESSO PARA RECONHECER ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA POR CAUSA DO CORONAVÍRUS

NOTÍCIA QUENTINHA

Informação foi divulgada pela Secretaria de Comunicação. Reconhecimento autorizará União a elevar gastos público e não cumprir meta fiscal prevista para este ano.

 

CONGRESSO DEVE APOIAR

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou ontem, terça-feira (17), que o governo pedirá ao Congresso Nacional para reconhecer estado de calamidade pública em razão da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com a Presidência, se for reconhecido o estado de calamidade, a União não precisará cumprir a meta fiscal prevista para 2020. O orçamento deste ano, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, admite déficit fiscal de até R$ 124,1 bilhões nas contas públicas. "Em virtude do monitoramento permanente da pandemia Covid-19, da necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros e da perspectiva de queda de arrecadação, o governo federal solicitará ao Congresso Nacional o reconhecimento de estado de calamidade pública", informou a Secretaria de Comunicação.

SENADO APOIA

Ao colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), informou que apoiará o pedido do governo. Segundo o Senado, será necessário votar um decreto legislativo, separadamente, na Câmara e no Senado. A pandemia do novo coronavírus tem provocado efeitos na economia mundial. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), por exemplo, já reduziu de 2,9% para 2,4% a previsão de crescimento da economia global.

Além da OCDE, o Fundo Monetário Internacional (FMI) também prevê que o crescimento global em 2020 será menor que o registrado no ano passado.

CÂMARA FEDERAL APOIA

À TV Globo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o pedido do governo coincide com o que ele defende. Segundo Maia, a crise provocada pelo coronavírus não será superada sem a participação do Estado. Para o presidente da Câmara, se aprovada pelo Congresso, a medida vai garantir a abertura de "espaço fiscal" para que o governo possa intervir com mais tranquilidade nas próximas semanas, na saúde, na economia e na área social.

DÉFICIT FISCAL DE 2020

O orçamento de 2020 define que o governo tem de cumprir a meta fiscal de déficit de até R$ 124,1 bilhões. Isto quer dizer que o governo prevê que as despesas irão superar as receitas, sem contar os juros da dívida pública. Em razão da desaceleração da economia mundial, intensificada pelos efeitos do coronavírus, o Ministério da Economia reduziu a previsão de crescimento da economia neste ano de 2,4% para 2,1%. Nesta segunda-feira (16), porém, o mercado financeiro estimou um crescimento ainda menor, de 1,68%. (Por Filipe Matoso, Pedro Henrique Gomes, Delis Ortiz e Alexandro Martello, G1 e TV Globo — Brasília)

 

Leia a íntegra da nota divulgada pela Presidência da República:

 

NOTA

 

Em virtude do monitoramento permanente da pandemia Covid-19, da necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros e da perspectiva de queda de arrecadação, o Governo Federal solicitará ao Congresso Nacional o reconhecimento de Estado de Calamidade Pública. A medida terá efeito até 31 de dezembro de 2020.

O reconhecimento do estado de calamidade pública tem suporte no disposto no art. 65 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) o qual dispensa a União do atingimento da meta de resultado fiscal prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e, em consequência, da limitação de empenho prevista na LRF.

O Governo Federal reafirma seu compromisso com as reformas estruturais necessárias para a transformação do Estado brasileiro, para manutenção do teto de gastos como âncora de um regime fiscal que assegure a confiança e os investimentos para recuperação de nossa dinâmica de crescimento sustentável.

 

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Coluna-do-Silveira

Data: 18/03/2020

Visitas: 375

Palavras-chave: COLUNA DO SILVEIRA 1487

Fonte:

Big Systems
6714969 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 05 do mês 07 de 2020