• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - Doenças mentais e pandemia

Doenças mentais e pandemia

As doenças mentais, são doenças que evoluem cronicamente e são, intensamente, prevalentes no mundo e contribuem para morbidade, para a incapacitação funcional, social e laboral e para a mortalidade prematura. Estima-se que 25% da população geral apresentarão um ou mais transtornos mentais ao longo da vida (Rodriguez et al, 2009). Se somados aos transtornos neurológicos, esses grupos de doenças representam 14% da carga global de doenças, sendo que na América Latina atinge 21% (OMS, 2008).Estas, enfermidades se caracterizam por quadros clínicos bem definidos os quais atingem os pensamentos, as percepções, as emoções, os sentimentos, o humor, funções executivas e o pragmatismo, entre outras alterações. Segundo a OMS, entre os transtornos mentais, destacam-se: transtorno depressivo (depressão), o Transtorno Afetivo Bipolar - TAB, e suas diferentes formas clínicas, os Transtornos de Ansiedade e seus tipos clínicos a Esquizofrenia e suas formas clínicas e outras psicoses. Destacam-se, também, as Demências, a deficiência intelectual e Transtornos de Desenvolvimento, incluindo o Autismo.A depressão, é o transtorno que tem o maior impacto epidemiológico entre as doenças mentais. É um dos principais transtornos e o que mais causa incapacidade laboral em todo o mundo. Afeta, predominantemente, mulheres e está muito relacionada ao suicídio. Globalmente, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas no mundo são afetadas por essa doença. Tristeza (patológica), perda de interesse ou prazer, sentimento de culpa ou rebaixamento da autoestima, alterações do sono e do apetite, cansaço e falta de iniciativa, alterações da concentração, da memória e da motivação, são sintomas frequentes. Os depressivos, em geral apresentam múltiplas queixas clínicas sem nenhuma causa aparente. A doença tende a ser crônica e se manifesta de forma recorrente. A capacidade laborativa, as relações sociais e familiares e o desempenho escolar estão formalmente prejudicados. Em seu estado mais grave, a depressão pode levar ao suicídio.Fatores e acontecimentos externos aos indivíduos podem influenciar fortemente o processo depressivo, não sendo, portanto, uma questão só determinada por fatores biológicos, genéticos ou hereditários. A situação pandêmica do presente momento, certamente, ocasionará um número bem maior desses transtornos, na população geral, em qualquer faixa etária. As frustrações, as grandes perdas a que estamos submetidos, principalmente por mortes, perdas do emprego e do trabalho, da renda, o isolamento social, a avalanche de notícias sobre a doença, são cada vez fatores que nos abalam, profundamente. Sobre o Transtorno Afetivo Bipolar, sabe-se que atinge cerca de 60 milhões de pessoas no mundo. Consiste tipicamente em episódios alternados de mania e depressão, intermediados por períodos de humor normal (intercrítico). Os episódios de mania envolvem humor elevado ou irritado, atividade exagerada, fala apressada, inquietação, irritabilidade, autoestima inflada e uma menor necessidade de sono. As pessoas que têm episódios de mania, embora não experimentam episódios depressivos, também são classificadas como tendo transtorno bipolar.A esquizofrenia e outros transtornos psicóticos, são transtornos psiquiátricos graves que afeta cerca de 23 milhões de pessoas em todo o mundo. Essas psicoses, entre as quais a Esquizofrenia, atinge 1% da população geral e se caracteriza por: distorções no pensamento, na percepção, nas emoções, na linguagem, no juízo de realidade, na consciência do “eu” e alterações na adequação do comportamento, alterações estas, que os levam a agir de forma bastante desorganizada. As alucinações (ouvir, ver ou sentir coisas que não ocorrem na realidade) e delírios (falsas crenças ou suspeitas firmemente mantidas mesmo quando há provas que mostram o contrário), são sintomas muitos comuns nessas psicoses. A doença, geralmente, tem início no fim da adolescência ou no começo da vida adulta. O tratamento farmacológico e o apoio médico e psicossocial são bastante eficazes, ao ponto desses suportes, médico e psicossocial, garantem o retorno desses enfermos a uma vida produtiva e integrada socialmente.Em razão da pandemia e com as limitações na oferta de serviços psiquiátricos, recomenda-se, que as famílias desses pacientes, que estejam em tratamento psiquiátrico ou mesmo os que já receberam alta médica, que reforcem esses cuidados com esses enfermos e redobrem os cuidados com eles, pois a possibilidade de recaídas em momentos de pandemia, torna essa situação bem mais difícil de ser manejada. Chamo atenção, especialmente, para a manutenção e regularidade no uso dos medicamentos que os mesmos fazem uso.Quanto as Demências, cerca de 50 milhões de pessoas as apresentam. É um transtorno crônico, evolui, em geral, de forma lenta e progressiva, havendo deterioração da função cognitiva (capacidade de processar o pensamento e outras funções mentais) fora do envelhecimento normal. As demências prejudicam a memória, o pensamento, a orientação no tempo e espaço, compreensão, a capacidade de calcular, a capacidade de aprendizagem, de linguagem e de julgamento. O transtorno deteriora o controle emocional, o comportamento social, a motivação e outras particularidades, como o pragmatismo e a capacidade executiva. Essas doenças, são ocasionadas por micro lesões do cérebro, entre essas, destaca-se a Doença de Alzheimer.Segundo a OMS a “ deficiência intelectual é caracterizada pela diminuição de habilidades em várias áreas de desenvolvimento, como o funcionamento cognitivo e o comportamento adaptativo. Essa condição diminui a capacidade de adaptação às exigências diárias da vida”. A OMS, diz ainda: ”os sintomas de transtornos invasivos de desenvolvimento, como o autismo, são comportamento social, comunicação e linguagem prejudicados e uma estreita faixa de interesses e atividades, que são únicas para o indivíduo e realizadas repetidamente. Os transtornos de desenvolvimento frequentemente se originam na infância ou na primeira infância. As pessoas com esses transtornos ocasionalmente possuem algum grau de deficiência intelectual”.Semelhantemente, às recomendações fornecidas às famílias e aos depressivos, esquizofrênicos, portadores de transtornos ansiosos e de TAB, aqui também, no caso dos Autistas e deficiente intelectuais, os cuidados deverão ser redobrados, pois, esses pacientes em crises, terão dificuldades especiais em avaliar, rigorosamente, os riscos de adquirirem o COVID -19 e piorarem muitas suas doenças de base. Portanto, cuidem cada vez melhor de seus enfermos, para que se Deus quiser, transitemos melhor esses graves momentos.

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 16/05/2020

Visitas: 60

Palavras-chave: Doenças mentais e pandemia

Fonte: RUY PALHANO

Big Systems
6418474 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 27 do mês 05 de 2020