• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - PRODUTOS PERFURADOS ADQUIRIDOS NO SUPERMERCADO MATEUS DE SANTA INÊS, PREOCUPA DONAS DE CASA E CONSUMIDORES

PRODUTOS PERFURADOS ADQUIRIDOS NO SUPERMERCADO MATEUS DE SANTA INÊS, PREOCUPA DONAS DE CASA E CONSUMIDORES

 

Há alguns meses, logo que  a pandemia iniciou, todos os consumidores passaram a higienizar os produtos adquiridos ao chegar em casa.

E foi assim que ao lavar, produtos ainda na embalagem como pede a OMS, que percebi que sempre entrava água e sabão, ou álcool 70 nos seguintes itens: arroz, feijão, flocos de milho, farinha e por fim no açúcar.

Passei a ter o olhar mais apurado e após reclamar algumas vezes e conversar com amigas, para o meu espanto todas afirmaram estar perdendo semanalmente produtos como: açúcar e flocos de milho e arroz.

Foi então que decide procurar profissionais como: Nutricionista, Advogada, e mais donas de casas para falarmos sobre o assunto.

Vamos então ao parecer da Nutricionista Bruna Magalhães e da Advogada Dara Carvalho.

Eu Aldrey Barbosa, procurei no início da tarde de ontem, terça-feira dia 23 de junho a gerência da Loja do Mateus na Laranjeiras, em Santa Inês,  local onde novamente fotografei e constatei produtos com furos ainda nas prateleiras.

Em conversa com a gerência ficou claro, que essa Colunista e O Jornal Agora Santa Inês,  se preocupam com a saúde de todos e que estava ali para saber do ponto de vista da Empresa, o porque desses furos. Fui informada que os produtos chegam na loja dessa forma,  enviados pela fábrica e fornecedores, mas todavia eles estariam enviando uma nota oficial para o Jornal até as 16:00hs.

Bem, como fazemos um jornalismo sério aguardamos até as 18:00 hs e não recebemos nenhuma resposta oficial. Sendo assim partilho com vocês leitores as fotos e o fato, em seguida o parecer das profissionais.

Essas imagens são de produtos adquiridos no Mateus Supermercados de Santa Inês.

 

ALIMENTOS E OS RISCOS SE NÃO  ESTIVER EMBALADO ADEQUADAMENTE

Bruna Magalhães

Na pandemia da COVID – 19, os cuidados à saúde são redobrados. Diversas práticas são adotadas para evitar contaminação, inclusive as práticas alimentares que vai desde a aquisição ao consumo de alimentos.

O alimento pode ser veículo de transmissão de diversos micro-organismos, incluindo o SARS- CoV - 2, o vírus da COVID-19.

Com as medidas de isolamento domiciliar muitas coisas mudaram na rotina diária, sobretudo a higienização dos alimentos que chegam em  casa.

Uma atenção especial aos alimentos in natura, como frutas, legumes e verduras, considerados alimentos perecíveis e com potencial contaminante, caso não tenham adequada higienização no armazenamento e manipulação.

É necessário retirar as sujidades aparentes, colocá-los  de molho por 15 minutos em uma solução contendo 1 colher de sopa de água sanitária (hipoclorito de sódio) em 1 litro de água; em seguida, enxaguar em água corrente e deixar secar naturalmente para então armazenar na geladeira em recipiente com tampa.

Os alimentos não perecíveis embalados, como arroz, flocão de milho, feijão, açúcar, leite de caixa, latas de leite, sardinha enlatada, entre outros, devem ter seus cuidados de higienização.

Recomenda-se a higienização das embalagens utilizando um pano embebido de álcool a 70% ou lavagem com água e sabão.

Mas cuidado com os alimentos em embalagens  ensacadas, pois na sua maioria possuem microfuros de aproximadamente 0,5mm. Esses microfuros facilitam a retirada de ar e reduzem o risco de infestação no alimento, como gorgulhos e carunchos.

Caso os microfuros sejam maiores, a higienização com álcool a 70% e/ou água e sabão não é possível, pois poderá ocorrer contaminação química do alimento. Uma vez que é prejudicial à saúde consumir o alimento com contaminante químico.

Observe o tamanho dos furos. O álcool, sabão ou água podem penetrar o alimento através de grandes furos. O dano pode ser maior, dependendo do tipo de alimento. Os farináceos e açúcares absorvem muito mais essas substâncias, uma vez que estas entrem em contato com alimento.

Nesse caso, não higienize a embalagem, despreze- a e armazene o alimento em  recipientes hermético (recipientes tampados que impede a passagem de ar) para maior durabilidade do alimento.

Não leve para casa alimentos que estão em embalagens visivelmente violadas, amassadas, estufadas, enferrujadas, rasgadas ou com vazamentos.

Embalagens danificadas podem sugerir má conservação e ocasionar mudanças nas propriedades dos produtos. Podem também ser um indicador de contaminação por micro-organismos.

Outras práticas são encorajadas para evitar a contaminação alimentícia, tais como:

1 - Ao retornar para casa com as compras,  higienize os calçados, tome banho e ponha a roupa que você está usando para lavar;

2- Lave as mãos (palmas, dorso, pulso, unhas e entre dedos) com água e sabão antes de iniciar a manipulação dos alimentos;

3- Higienize com água e sabão ou álcool em gel a 70% as bancadas, pias e armários onde os alimentos serão armazenados e manipulados;

4- Inicie higienizando primeiramente os congelados, depois os resfriados e por último os não perecíveis, para depois armazená-los;

5- Higienize as embalagens dos alimentos congelados com álcool em gel a 70% antes de leva-los ao freezer.

Para mais informações sobre o assunto consulte a Resolução RDC, n.27/2010 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

 

Segue o link

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/4967127/Biblioteca+de+Alimentos_Portal-nNM6MLrs.pdf/f69da615-cd56-44f0-850e-cd816221110d

POR: Bruna Magalhães

Nutricionista

Mestre em Saúde do Adulto e da Criança.

CRN MA 11040.

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: A-Cidade

Data: 24/06/2020

Visitas: 1199

Palavras-chave: PRODUTOS PERFURADOS ADQUIRIDOS NO SUPERMERCADO MATEUS DE SANTA INÊS, PREOCUPA DONAS DE CASA E CONSUMIDORES

Fonte:

Big Systems
6925324 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 05 do mês 08 de 2020