• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - Pega Lula, salva Dilma

Pega Lula, salva Dilma

Por Reinaldo Azevedo 

A única coisa sensata que Dilma Rousseff tem a fazer, do seu ponto de vista, é torcer pela desgraça de Lula. É sua chance de sobreviver, ainda que remota. É claro que ela sabe disso, embora seja obrigada a tolerar no Palácio do Planalto tipos como Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), que buscam atrelar a sorte do seu mandato ao destino do ex-presidente.Dilma é uma péssima gestora –e os próprios petistas, de todos os matizes, o admitem sem cerimônia– e uma articuladora sofrível. Se “a política como a arte do possível” é adágio que pode abrir a senda para o conformismo, o inconformismo de Dilma transforma o impossível numa meta sempre a ser dobrada. O resultado são desastres em série. Mas, obviamente, estúpida ela não é. A esta altura, já percebeu que não há mais salvação para Lula. Ainda que ele não venha a ser atropelado tão cedo pela lei, tendo até de visitar, quem sabe?, o xilindró, é claro que está acabado. Duas ou três vezes eu o chamei nesta coluna, citando um poeta, de “cadáver adiado que procria”. Pois o adiamento deu lugar à precocidade. Lula morreu mais depressa do que supunham seus adversários e seus fiéis. Tenho ouvido com frequência pessoas das mais variadas tendências e estratos sociais e intelectuais a atribuir os desastres do governo Dilma à, ora vejam!, “herança maldita” de Lula – faço uma ironia porque, é evidente, não se recorre a esse vocabulário. Essa leitura transforma a presidente numa espécie de vítima de seu antecessor, como se ele estivesse na raiz de todos os desatinos cometidos nestes pouco mais de cinco anos de gestão.A avaliação não é de todo despropositada. Os fundamentos tortos, que depois degeneraram em bagunça administrativa, econômica e política, vêm mesmo da sapiência divinal do demiurgo, mas a inocência de Dilma é escandalosamente falsa. Ao contrário: ela é culpada de ter insistido no erro com determinação cega, alheia a todas as advertências e apelos. E o fez, entre outros motivos, para vencer uma eleição.Ainda que todos os desatinos da presidente fossem meramente culposos, e não acho que tenham sido, o estelionato eleitoral é doloso. Para vencer a disputa, Dilma flertou de maneira deliberada com o abismo. É uma pena que não possa ser impichada também por isso. Resta evidente, no entanto, que há “spin doctors” a serviço do Palácio operando para que Lula, o totem do PT, seja agora rebaixado à condição do bode expiatório. O PT percebeu e organiza o contra-ataque. A campanha ridícula que o partido tenta emplacar –”somos todos Lula”– busca apelar à velha solidariedade das esquerdas, tentando arrastar também o governo em defesa daquele que não tem salvação. Dilma sabe que os petistas estão furiosos com ela porque esperam que se solidarize de forma mais enfática com Lula. Mas a governanta tem claro que já não há mais nada a fazer. Agora é torcer para que o bode seja mandado para o deserto e lá expie os pecados do PT. É a chance que tem a governanta de se salvar.Cuidado, leitor! Há uma espécie de operação “pega-Lula-e-salva-Dilma”. Não é um bom enredo. Até porque a gente morre no fim.

Postado por: Redação Agora

Categoria do Post: Politica

Data: 12/02/2016

Visitas: 792

Palavras-chave:

Fonte:

Big Systems
7397325 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 24 do mês 09 de 2020