• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - CINE MIX : A coluna de cinema do AGORA SANTA INÊS

CINE MIX : A coluna de cinema do AGORA SANTA INÊS

RECORDAR É RE(VER)

“LA ZONA”:  UM FILME DE RODRIGO PLÁ

A cidade partida...

O filme La zona( Zona do Crime ) do diretor Uruguaio ,que vive no México, Rodrigo Plá, é uma síntese do que as grandes cidades estão se transformando. O roteiro de sua mulher, Laura Santullo é baseado em um conto que ela mesmo escreveu sobre uma cidade futurista, que se isola no limite da exclusão social. O diretor e sua mulher, se espantaram ao ver que na sua própria cidade o futuro do conto já estava acontecendo. La zona do título é um grande condomínio cercado por favelas de todos os lados, e que possui um grande sistema de segurança e regras próprias ditadas por uma assembleia. E é essa mesma assembleia, que decide agir por conta própria e matar um dos sobreviventes, de uma tentativa frustrada de assalto.

Ao ultrapassar o outro lado do muro, três rapazes tentam assaltar La zona, dois morrem e um é perseguido como rato pelos moradores. A premissa do filme é essa: é um jogo dos moradores do condomínio, contra um “inimigo “de fora. Um super filme de ação e suspense, todos podem pensar ao ler a sinopse, mas o filme é muito mais do que cenas de gato e rato...

La zona nos traz para o velho problema que passam as grandes cidades pelo mundo (Rio de Janeiro, México,etc ...): A divisão aparente da cidade , o isolamento completo das classes mais privilegiadas, e também o completo abandono do Estado em relação aos mais pobres. O filme é um perfeito painel para quem vive em uma grande cidade e quer se ver na tela. Estão lá a corrupção policial, a diferença gritante de renda, os jovens ricos alienados e as anomalias geradas pelo Estado mal gerido (justiça do olho por olho, dente por dente).

O diretor acerta em não tomar partido de qualquer lado, não sobra para ninguém; e todos no fundo tem um pouco de razão em uma ou outra ação. Acertam em algumas e erram ,e muito, em outras; tanto a polícia, quanto os moradores e ou os mais pobres. Rodrigo Plá , acerta ainda mais , ao colocar a visão de um dos filhos dos moradores (adolescente),sendo modificada no decorrer dos acontecimentos, como se fôssemos  reaprendendo a viver em sociedade. É um filme Obrigatório.

©José Viana Filho é Bacharel em Cinema pela UNESA(RJ) e Mestre em Políticas Públicas pela Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais.

      Email: [email protected]  Blog: www.josevianafilho.blogspot.com.br

 

O FILME DA SEMANA

SESSÃO DUPLA:  Filmes ‘’Suprema’’ e ‘’A juíza” Em memória da juíza Ruth Bader Ginsburg

Faleceu no último dia 18 de setembro uma importante figura na política e na cultura norte-americana; estou falando da juíza Ruth Bader Ginsburg. Considerada um ícone feminista, ela foi uma das nove mulheres em uma turma de 500 alunos na faculdade de direito de Harvard e Columbia, enfrentou o machismo dos anos 50 e 60, quando tentou conseguir um emprego, e dentre tantos outros obstáculos, foi recusada nos principais escritórios pelo simples fato de ser mulher.

 

Seguiu na militância e após conseguir importantes vitórias nos tribunais, se tornou referência na luta pelos direitos das mulheres e pela igualdade de gênero. Foi a segunda juíza na história da Suprema Corte Americana, e recentemente, virou um ícone pop devido a suas lutas e seus posicionamentos. Se você ainda não conhece a história desta notável mulher, o cinema conseguiu homenageá-la ainda em vida, com dois filmes lançados em 2019. Uma ficção e um documentário que foi indicado ao Oscar na categoria.

 

'Suprema' (disponível no Amazon Prime) conta o início da carreira de Ruth. Sua relação com o marido (seu maior incentivador), o constante preconceito desde a época da faculdade, que viam o espaço acadêmico como majoritariamente masculino, e por fim, sua luta por causas que posteriormente a tornaram referência em diversas áreas.

 

 Dirigido por Mimi Leder, o filme conta no elenco com Felicity Jones (como a jovem, então advogada), Armie Hammer como o marido Martin e Kathy Bates , que funciona para apresentar muitas das questões que formaram a grande personalidade que Ruth se tornou.

 

Mas para entender melhor a figura de Ruth, recomendo o documentário 'A juíza", (disponível no Telecine). O filme narra a história da juíza desde o início de sua carreira até os dias atuais, mostrando imagens e depoimentos que ajudam a construir a imagem de fascínio que se formou sobre ela, e explicando um pouco do fenômeno que se tornou, principalmente junto aos mais jovens.

 

O filme traz depoimentos e imagens da juíza, mostrando a força de Ruth na Suprema Corte, e seu jeito dócil e por vezes divertido em questões mais cotidianas, construindo uma persona fascinante. 

 

 Para entender bem a importância de Ruth Bader Ginsburg e muito provavelmente se tornar um fã dela, vale a sessão dupla, em dois bons filmes que conseguiram fazer justiça, a uma figura tão importante e que fará uma grande falta em seu país.         

 

Felipe Fernandes é Bacharel em Cinema pela Universidade Estácio de Sá (Rio de Janeiro). Formado em Direção cinematográfica pela New York Film Academy (Los Angeles). Formado em Roteiro pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Vídeomaker, publicitário e crítico de cinema.

E-mail para contato: [email protected] Instagram: @moviola.insta

 

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 17/10/2020

Visitas: 76

Palavras-chave: CINE MIX : A coluna de cinema do AGORA SANTA INÊS

Fonte:

Big Systems
7686010 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 30 do mês 10 de 2020