• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - “A ÁGUA DESTE LIVRO É BOA; É DA MELHOR. ENTRETANTO, PARA BEBÊ-LA, NÃO BASTA TER SEDE”

“A ÁGUA DESTE LIVRO É BOA; É DA MELHOR. ENTRETANTO, PARA BEBÊ-LA, NÃO BASTA TER SEDE”

A Botânica até pode nos dizer que poesia não é árvore. Mas tem raiz. Tem origem. Filiação. "Pedigree".

 

O melhor da interpretação, da declamação, da poesia e Cultura regional foi visto, ouvido e aplaudido em uma noite, há cerca de três anos, no Teatro Ferreira Gullar. Era Lília Diniz, atriz, poeta, artista, da Academia Imperatrizense de Letras, mulher que prende por sua Arte e empreende em toda parte.

 

Lília é a ponte entre a capital do país e seu interiorzão. Vive em Brasília e revive e convive em Imperatriz e região.

 

Além dos muitos conteúdos que traz, Lília traz Cora Coralina dentro de si. E a bota para fora, em poesia, canto e encanto  -- no espetáculo. “Cora Dentro de Mim”, que Lilia interpreta, declama, produz e o levou para diversos estados brasileiros.

 

Em uma dessas apresentações, durante um daqueles lapsos de 15 segundos, Lília Diniz convidou-me -- com carinho e dengo, do jeito que só ela sabe convidar -- para fazer o texto de apresentação da nova edição de seu livro "Miolo de Pote", cujo lançamento aconteceu naqueles dias e noites de bom gosto, Arte e Cultura.

 

Sobre Lilia, escrevi:

 

Varinha de marmelo, de condão,

faça essa mistura em um caldeirão:

 

um pouco daquela (e)terna menina

(o nome dela: Cora Coralina);

 

o canto de um pássaro de fé

-- cante lá, Patativa do Assaré --;

 

mais Catulo da Paixão Cearense

(apesar do nome, é maranhense)

 

--- dessa química ou mágica feliz,

distinto público: Lília Diniz!

 

*

 

Reproduzo a apresentação que vai no livro.

 

* * *

 

APRESENTAÇÃO

 

O babaçu é o boi das matas. Dele, sabe-se, nada se perde. Artesanato, alimento, combustível, medicamento. E mais: entre os muitos aproveitamentos e utilidades do babaçu também está a celulose, o papel. Vale dizer, assim, que de babaçu também faz-se um livro. Este, por exemplo.

 

E se do boi -- o babaçu dos pastos -- o cantor nordestino Ednardo aproveitou até o berro, Lília Diniz empresta voz à mudez do fruto e movimento à imobilidade da palmeira. Voz e movimento, denúncia e sentimento pendem aqui em cachos de letras.

 

É com muita razão e sensibilidade que a escritora, “bicho do mato”, traz o babaçu para as primeiras páginas desta obra. Lília, cabocla, sabe das brenhas onde se embrenha, dos matos das matas que se desmata. É íntima das palmeiras e das conversas delas com o vento, quando farfalham e gargalham. Lília sabe da essência do babaçu, do âmago das amêndoas. É um gongo que fala -- sobretudo, alerta.

 

O líquido batismal de Lília deve ter sido azeite, que lhe marcou a fronte e a vida -- vida povoada de sonoridades, cheiros, sabores e histórias que vêm a partir dos palmeirais, dos cocos que se desprendem, das mãos que os (a)colhem.

 

Mas uma vida rica de vivências, sofrências, persistências, ardências, consciência e coerência até pode ter um batismo de babaçu... porém há outras plantas e plantações na selva da existência. Daí "MIOLO DE POTE DA CACIMBA DE BEBER" ir além das lembranças e essências da terra e das palmeiras. Lília sabe que há outros “elementos”, como dizem as xilogravuras que anunciam cada uma das quatro “partes” do livro: “Terra”, “Fogo”, “Água” e “Ar”, as quatro substâncias que sábios pré-socráticos diziam formar tudo e que, neste livro, compõem um quadrifólio poético -- quatro pétalas, mesma flor.

 

Se “Terra” é “essência”, que identifica, e “estrume”, que fertiliza, “Fogo” é luz e calor, energia e amor, que ilumina desejos e paixões e incendeia corpos e corações: é a mulher ardente em brasa, “acesa” em casa, “com tanto desejo a queimar”... até que, ao final, “as verrugas do tempo” tragam um certo “enfado” e uma (in)certa esperança de rever o ser objeto de tanto sentimento, tanta chama e incandescência.

 

“Água” é a parte líquida e certa deste “miolo de pote”. Dela, dos últimos versos do poema “Alimento”, a autora tirou, com concha de comprido cabo, o título do livro. Neste segmento, a água soletra um “abc”, pois está presente, real e metaforicamente, na cheia dos açudes, no molhado dos beijos e no chocalho cuja água as faladeiras parece que tomaram. Águas e mais águas que lembram as lavadeiras, rios e ribanceiras, poços e pororocas, mares e amares -- águas onde corpos são lavados, roupas enxaguadas, sonhos banhados e sentimentos, quarados.

 

Em “Ar”, quarta e última parte, Lília Diniz, com a autoridade natural de quem é dona e maior conhecedora de si mesma, traceja traços (auto)biográficos desde a nascença, pois que ela, deverbal, é sujeita derivada de “alicezear”, verbo formado pela união da cearense Alice com o carpinteiro Zé, dos quais é filha.

 

Sem necessidade de esclarecimentos sobre manhas e artimanhas, mumunhas e mungangos de exercícios poéticos, somos levados a, sem reparos, reparar no poema “Buchuda” a solução visual com que a autora tratou a disposição dos versos, uma mulher grávida. Este recurso formal, de ascendência concretista, foi inicialmente utilizado na parte primeira do livro, em “Tanta terra”, onde os conceitos intelectuais são visualizados nas palavras postas em cruz.

 

*

 

O “miolo” deste livro não é do pote. É da poeta. Verdadeira e visceral como é, Lília, em linhas, sublinhas e entrelinhas, revela muito de amor e dor. Muito de dignidade e indignações. Muito de talento e Arte. Muito de sua Vida.

 

A água deste livro é boa; é da melhor.

 

Entretanto, para bebê-la, não basta ter sede.

 

EDMILSON SANCHES

[email protected]

 

Fotos: 1) O livro "Miolo de Pote", já em 5ª edição, em sua caixa-embalagem artesanal. 2) O cartaz do espetáculo de Lília Diniz em Imperatriz. 3 e 4) A artista Jô Santos Maria, Edmilson Sanches, a aniversariante Lília Diniz e o multi-instrumentista, produtor musical e ativista cultural Chiquinho França.

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 07/11/2020

Visitas: 55

Palavras-chave: “A ÁGUA DESTE LIVRO É BOA; É DA MELHOR. ENTRETANTO, PARA BEBÊ-LA, NÃO BASTA TER SEDE”

Fonte:

Big Systems
8014536 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 03 do mês 12 de 2020