• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - CINE MIX : A coluna de cinema do AGORA SANTA INÊS

CINE MIX : A coluna de cinema do AGORA SANTA INÊS

RECORDAR É (RE)VER

©José Viana Filho

“CORAÇÃO LOUCO” DE SCOTT COOPER

O bom e velho Jeff Bridges!

Além de premiar uma mulher para direção, um filme argentino e chamar atenção do mundo, com filme independente “ Preciosa”; o Oscar 2010 entrou para história também , por premiar um dos maiores atores americanos: Jeff Bridges. O ator, que já havia recebido indicação no Oscar, de “Melhor Ator”  por Starman - O homem das estrelas (1984), e ainda três indicações na categoria de "Melhor Ator Coadjuvante", por A última sessão de cinema (1971), O último golpe (1974) e A conspiração (2000), foi finalmente reconhecido interpretando o beberrão Bad Blake , um famoso cantor e compositor de música country.

Bridges com sua caracterização perfeita, nos leva ao mundo desse músico: uma mistura de álcool, cigarros, velhos sucessos, estradas, motéis e casas de shows vagabundos, meio às turras com seu passado e sua fama longínqua, ele encontra sua redenção ao conhecer a jornalista Jean Craddock (Maggie Gyllenhaal).  A partir daí, vemos um romance como pano de fundo da vida conturbada desse artista, recheada de country de primeira linha.

O roteiro não nos mostra nada demais, além dos velhos clichês do cinema americano, mas o filme vale por cada aparição de Jeef Bridges: que canta, toca e faz um sotaque texano como ninguém, e ainda, entra em perfeita sintonia com quem divide a tela. Seja a própria Maggei Gyllenhaal, seja Robert Duvall e ou Colin Farrell. Uma merecida premiação ao bom e velho Jeef , o eterno The Big Lebowski do cinema.

©José Viana Filho é Bacharel em Cinema pela UNESA(RJ) e Mestre em Políticas Públicas pela Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais.

      Email: [email protected]  Blog: www.josevianafilho.blogspot.com.br       

O FILME DA SEMANA

©Felipe Fernandes

“ O que ficou para trás”

O terror é um gênero que têm na construção do medo sua principal ferramenta, e por isso, alguns de seus maiores clássicos abordam questões sociais que dialogam direto com o espectador; seja como pano de fundo ou como elemento principal, criando alegorias que funcionam dentro da proposta, tornando o filme atual e relevante.

Nos últimos anos, o filme que mais chamou a atenção para esse aspecto foi "Corra" de Jordan Peele. Um filme excelente que têm o racismo como ponto central, tornando o filme mais relevante que muitas das obras lançadas naquela temporada. Desde então, alguns filmes têm resgatado essa característica, e um dos mais atuais e impactantes dessa temporada é uma produção inglesa que chega sem muito alarde ao streaming.

 "O que ficou para trás" é um longa que traz a imigração como ponto principal. Um tema delicado, pesado, pouco explorado pelo gênero e que traz ao filme um senso realidade assustador. Na trama, um casal foge da guerra civil no Sudão do Sul e após um acidente na travessia pelo mar, eles perdem sua filha. Chegando a Inglaterra, eles passam um período em um centro de detenção e posteriormente "ganham o direito" a uma casa em estado deplorável no subúrbio de Londres, tendo uma série de restrições absurdamente limitantes, que eles precisam seguir para não perder aquela condição. 

Após um tempo tentando se estabelecer, coisas estranhas começam a acontecer na casa levando o casal ao limite na vivência em uma nova realidade, com todas suas dificuldades, preconceitos e precisando lidar com traumas e a culpa por tudo o que viveram e abandonaram. Escrito pelo diretor Remi Weekes (em seu primeiro longa), Felicity Evans e Toby Venables, um trio de currículo curto, mas que mostram uma qualidade que impressiona, ao trabalhar de forma econômica, conseguindo equilibrar com muita competência o tema da imigração e as manifestações que afetam o casal.

O roteiro tem diálogos poderosos, muito eficientes em expressar as sensações e sentimentos dos personagens, mas sem nunca ser expositivo, representando toda a dor daquele casal e da situação de todo imigrante. O filme trabalha uma dinâmica interessante entre o casal protagonista, ao trazer Bol (Sope Dirisu) como um homem que quer abraçar aquela cultura, tentando recomeçar a vida do zero, deixando toda a luta e traumas no passado. Já Rial (Wunmi Mosaku) busca manter as tradições de sua terra, seja através das roupas, da culinária ou nas formas de comer. Escolhas que trazem um conflito natural e funcionam para minar a relação em um momento difícil.

O filme foge dos clichês do gênero ao levar o terror para uma habitação simples, pequena, bem diferente das grandes mansões, muito comuns em filmes desse tipo. O filme faz uso de efeitos práticos em sua grande maioria, permitindo uma sensação real de ameaça e ao trazer o terror para um casal Sudanês, o filme têm uma estética diferente que funciona muito bem e dá um visual original para o longa. O maior acerto do filme é o de não abandonar a questão da imigração depois que começam as manifestações.

 

Essa seria uma escolha preguiçosa, muito comum, mas Weekes e seus parceiros trabalham toda a complexidade da situação junto ao terror, de forma crescente, mostrando que a realidade vivida por eles é mais opressora, assustadora e violenta que qualquer tipo de manifestação sobrenatural.  A película causa tensão com muito pouco, mantendo o casal e o espectador apreensivos o tempo todo, seja dentro ou fora da casa. São diferentes tipos de ameaças, que têm ligação direta com a forma com que cada um deles aceita a nova realidade e principalmente com que lida com seus traumas e culpas.    

 

 "O que ficou para trás" é uma das maiores surpresas do ano, extremamente atual, com ótimas atuações, ótimos diálogos, é um filme curto, econômico, mas muito bem construído, que usa essas características para criar uma narrativa angustiante, provocando a reflexão e expondo problemas de um mundo cada vez mais assustador.

 

Felipe Fernandes é Bacharel em Cinema pela Universidade Estácio de Sá (Rio de Janeiro). Formado em Direção cinematográfica pela New York Film Academy (Los Angeles). Formado em Roteiro pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Vídeomaker, publicitário e crítico de cinema.

E-mail para contato: [email protected]

Instagram: @moviola.insta

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 21/11/2020

Visitas: 105

Palavras-chave: CINE MIX : A coluna de cinema do AGORA SANTA INÊS

Fonte:

Big Systems
8020274 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 04 do mês 12 de 2020