• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - AMAR É ..

AMAR É ..

(Para minha irmã Susana, com carinho)

Por Georgiana Lima

  Quando criança, eu adorava colecionar álbuns de figurinhas. Gastava praticamente toda minha mesada semanal com elas. Depois, tinha que criar alguma desculpa para pedir mais dinheiro aos meus pais. Ou ficaria sem lanchar na escola. E, para isso, eu contava sempre com a cumplicidade e parceria da minha irmã Susana. Parceria, aliás, que mantemos até hoje. Porém, não somente nós fazíamos isso àquela época, claro, mas a garotada toda.

Eu até posso dizer que esses livros ilustrados eram o nosso grande vício, já que não existiam celulares e nem redes sociais na década de 80. Ah, como sinto falta desses dias leves quando minha única preocupação era preenchê-los o mais rápido possível. Porque também a concorrência com as amigas era enorme. E, nós, eu e minha irmã, não poderíamos ficar para trás. Pois isso seria sinal de fracasso para nós. O melhor de tudo era, no final, a satisfação que tínhamos em folheá-lo e dizer para todas na escola: “- Acabamos”. Todas corriam para conferir para saber se estava tudo certinho.

No entanto, só quem viveu a infância e adolescência na década de 80 deve se lembrar dessa satisfação e das famosas figurinhas. Eram álbuns de vários tipos e para todos os gostos. Como por exemplo o famoso -“Bem me Quer”- ilustrado pela artista australiana Sarah Kay. Muitas meninas colecionaram esse álbum publicado no ano de 1982. Os cromos eram lindos, coloridos e com frases muito otimistas sobre o dia. Eu e minha irmã Susana o completamos rapidinho, graças aos muitos dias sem lanches.

Outro também muito cogitado era o “Moranguinho e sua turma”. Por sinal um dos nossos prediletos porque além das desenhos muito fofos da personagem Moranguinho, ele também tinha cheiro de morango. Imagine que delícia isso para crianças? Tem coisa mais fofa? Havia uma frase num dos cromos que eu jamais esqueci e dizia mais ou menos assim: “um dia você me disse que quem espera sempre alcança. E eu estou esperando sentada, pois de pé cansa”.

Mas o nosso predileto disparado- meu e de minha irmã Susana- era “Amar É”. O álbum mostrava um casal de crianças em momentos de afeto, com frases românticas. Sucesso estrondoso nos anos 1980, as tirinhas foram criadas pela neozelandesa Kim Grove, em 1967, e inclusive a ajudaram no casamento com o italiano Roberto Casali.

Mas, naquela época, a gente não sossegava enquanto não conseguisse completá-lo. E as figurinhas que sobravam, nós as colávamos nos cadernos, livros, guarda-roupa etc. Era um febre. Também as vendíamos ou trocávamos por outras. Era o “Mercado Livre” da época. Valia tudo para conseguir essa façanha, inclusive, esconder os cromos mais difíceis das ‘amigas’. Nem tudo era tão inocente assim.

 No entanto, o que mais amávamos eram as frases lindas e inspiradoras nessa coleção, como, por exemplo, Amar é: “não deixar que nenhuma barreira os separe; Amar é ... só lamentar não ter te conhecido antes; Amar é ...plantar e colher juntos e outras fofurices infinitas que só quem vivenciou esses sentimentos sabe muito bem.

Porém, o ápice da excitação veio quando lançaram no Brasil em meados de 1984 um grande concurso de frases para o álbum. Obviamente que todas nós queríamos fazer parte disso. Bem como sonhávamos em ganhar os milhares de prêmios oferecidos. Eu e minha irmã Susana passávamos horas e horas criando frases para enviarmos. Lembro especialmente de uma, criada por nós, que dizia: “Amar é ... nunca esquecer de dizer eu te amo um ao outro”. Bem, pode até ser que essa frase já existisse naquela época. Mas, para duas meninas muito criativas como nós, o céu era o limite.

Não ganhamos nenhum prêmio naquele concurso, porém sobrou o consolo de termos vivido dias lindos da nossa infância graças aos álbuns mais adoráveis. Dias que fizeram-me muito querer revivê-los, nem que fossem em forma de texto. Esses momentos vividos só me deixaram a certeza de que, para termos uma infância feliz, não existem muitos segredos.

 Sinto falta disso nos dias atuais. Porque parece-me que essa inocência está meio perdida... ou sou eu que estou nostálgica? Não sei. Mas há dias que amanheço com olhos no passado e sentindo cheiros de morangos daqueles velhos cromos da minha infância.

 

#álbuns #figurinhas #cromos #infância #amor

Georgiana Lima: Formada em Letras pela UFMA. Pós-graduada em Inglês pela Universidade do Alabama (BAMA U) e Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidade Nacional de Rosario  (Argentina).

Email para contato: [email protected] Instagram:@georlima_

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 20/02/2021

Visitas: 58

Palavras-chave: AMAR É ..

Fonte: Georgiana Lima

Big Systems
8667184 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 06 do mês 03 de 2021