Agora Santa Inês - OXIMETRIA: O QUE É, NÍVEIS NORMAIS E CUIDADOS

OXIMETRIA: O QUE É, NÍVEIS NORMAIS E CUIDADOS

Oximetria é o procedimento utilizado para medir a quantidade de oxigênio que está sendo transportado no sangue. Feito através de um pequeno aparelho, o oxímetro, detecta o nível de oxigênio sanguíneo sem a necessidade de puncionar com agulha.

Um teste totalmente indolor, utilizando apenas um dispositivo tipo clipe é colocado apenas em um dedo das mãos!

Apesar de ser mais utilizado por profissionais da saúde como enfermeiros, pneumologistas e fisioterapeutas. Professores de educação física e instrutores de atletas podem usar com frequência, pois a intensidade exagerada dos treinos pode levar a má oxigenação e sobrecarregar o coração e o cérebro. Consequentemente, comprometer a saúde, se a saturação de oxigênio for insuficiente nesses treinos ou competições.

QUAL O NÍVEL

NORMAL MEDIDO PELO OXÍMETRO?

O oxímetro oferece um teste rápido, e o nível normal medido pelo seu resultado é consistente com uma diferença máxima de 2% do que realmente pode ser. Então, supondo que a leitura seja de 82%, por exemplo, o verdadeiro nível de oxigênio pode estar entre 80 e 84%.

Portanto, fatores que influenciam nesse resultado e as condições do paciente, devem ser considerados: o movimento, a temperatura, luminosidade do ambiente e até mesmo esmaltes nas unhas podem afetar a precisão. O nível ideal para manter as células do corpo saudáveis, mais de 89% do sangue deve ser transportado com oxigênio. Entretanto, a saturação de oxigênio de 95% é o considerado normal para a maioria das pessoas saudáveis.

Não deve ser considerado normal, a saturação que fica oscilando com repetidas instâncias de baixos níveis de saturação de oxigênio. Pois isso pode indicar deficiência de oxigênio que atinge os tecidos do corpo.

Quais sintomas de baixa saturação?

Comumente, pessoas com baixa oxigenação no sangue podem sofrer circulação anormal trazendo os sintomas, como:

Falta de ar

Dor de cabeça

Inquietação

Tontura

Respiração rápida

Dor no peito

Confusão

Pressão alta

Falta de coordenação

Distúrbios visuais

Sensação de euforia

Batimento cardíaco acelerado

COMO FUNCIONA O OXÍMETRO DE

PULSO?

A oximetria feita com oxímetro de pulso, ao ter contato com a pele, emite feixes de luzes vermelhas e infravermelhas que passam no sangue, para fazer a leitura das hemoglobinas (células responsáveis por transportar oxigênio). Essa quantidade é traduzida em porcentagem, ao qual é possível identificar no visor, o resultado.

Esse método também é utilizado para oferecer o resultado de frequência cardíaca.

QUAIS OS RISCOS DE USAR OXÍMETRO DE PULSO?

O principal risco ao usar o oxímetro de pulso é a leitura incorreta, apesar de ser um aparelho que forneça dados confiáveis, não é garantido que seja à prova de erros. Se o paciente ficar muito inquieto, ou o movimento for excessivo, até mesmo feito em um ambiente com pouca luminosidade, os resultados podem ser imprecisos. Além disso, um oxímetro de pulso não é capaz de diferenciar os tipos de hemoglobina, como a carboxihemoglobina, uma combinação com o monóxido de carbono que traz deficiência na oxigenação dos tecidos do corpo.

QUAIS OS TIPOS DE OXÍMETROS?

Além de ter conhecimento sobre oximetria, saber mais sobre os diferentes tipos e modelos disponíveis no mercado, é importante para assegurar que tenha oxímetros de qualidade. Existem os oxímetros de mesa e os oxímetros portáteis. Os oxímetros de mesa, geralmente são utilizados em hospitais, pois são mais detalhados e permitem acompanhamento das oscilações em tempo real. Além disso, são de uso contínuo.

Enquanto os modelos de oxímetros portáteis são destinados ao monitoramento diário e momentâneo. Podendo ser utilizado em clínicas, academias e até em casa, afim de avaliar pessoas vulneráveis e que sofram com algum distúrbio respiratório.

OXIMETRIA DE MANEIRA INVASIVA

 GASOMETRIA ARTERIAL

A gasometria arterial é um tipo de oximetria, feito a partir de uma amostra de sangue arterial retirado da perna ou do braço. Essa amostra coletada é analisada em laboratório através de exames bioquímicos. A análise inclui avaliação do pH sanguíneo, concentração de bicarbonato e pressão parcial de CO2.

A oximetria através da gasometria arterial geralmente é feito em pacientes que estão na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), a fim de garantir que as trocas gasosas estejam estáveis, e avaliar a necessidade de oxigênio extra.

A partir dos resultados da gasometria é possível saber como está o funcionamento do pulmão, acima de tudo, se as trocas gasosas estão acontecendo da maneira correta. Apesar desse exame não ser suficiente para fechar diagnóstico, é através dele que pode-se indicar algum distúrbio respiratório.

QUAIS OS CUIDADOS PARA MANTER

O NÍVEL DE

OXIGÊNIO

ESTÁVEL?

A melhor maneira de manter a estabilidade do nível de oxigênio é tratando a causa da privação de oxigênio. Na hipótese do paciente ser saudável, deve se evitar situações que causam a hipóxia (baixa oxigenação). A exposição a treinamentos intensos de esportes em altitude elevada sem preparação, por exemplo, pode comprometer a saúde respiratória do atleta.

Alguns distúrbios do sono e doenças respiratórias, quando não tratados, afetam a estabilidade do nível de oxigênio. Entre elas:

– Asma

– Enfisema pulmonar

– Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

– Câncer de pulmão

– Edema agudo de pulmão

– Pneumonia

– Apneia do sono

Ainda, algumas alterações neurológicas podem comprometer as funções da respiração, como as provocadas pelo traumatismo craniano.

Em todos os casos citados acima é necessário que o paciente faça o tratamento específico à sua condição. Em sua maioria, o tratamento é baseado na administração de oxigênio através de máscaras ou cateter nasal, aliado ao gerador de fluxo.

Com exceção da apneia do sono em que é utilizado uma máscara e um aparelho gerador de fluxo apenas durante o sono. O aparelho ortodôntico também pode ser utilizado, seguindo a recomendação do especialista.

SEQUELAS DO

BAIXO NÍVEL DE

OXIGÊNIO

O baixo nível de oxigênio no organismo pode provocar sequelas, dependendo do tempo que a pessoa esteve sem conseguir respirar. A longo prazo, se não for tratado, as oscilações do nível de oxigênio podem afetar o sistema nervoso central. Consequentemente levar ao comprometimento dos movimentos do corpo, além de prejudicar as atividades como andar, falar, comer e enxergar.

 

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Regional

Data: 30/11/-0001

Visitas: 144

Palavras-chave: OXIMETRIA: O QUE É, NÍVEIS NORMAIS E CUIDADOS

Fonte:

Big Systems
10958780 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 26 do mês 05 de 2022