Agora Santa Inês - O ENCANTADOR DE SERPENTES

O ENCANTADOR DE SERPENTES

Elson Araújo*

 

Quando a ciência ainda não se impunha tanto quanto hoje, alguns problemas simples, ou por vezes complexos, eram resolvidos por meio dos conhecimentos tradicionais, transmitidos de pai para filho; principalmente aqueles relacionados a saúde das crianças, e às vezes até dos adultos. Logo, quando apareciam, uma febre, uma diarreia, moleza no corpo, íngua, sol na cabeça e arca caída, a solução vinha das rezadoras (es) ou benzedeiras (os).  Esses mestres e mestras tinham o respeito e admiração da comunidade.

Minha saudosa mãe Teresa me levou algumas vezes a rezadores. As lembranças são esparsas, mas recordo fortemente de uma vez em que fui levado para “cortar uma íngua”.  Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, ou linfonodos, que, geralmente, acontece por alguma infecção ou inflamação; no meu caso era na região da virilha.  Doía muito, e era seguida de febre

A casa do rezador passava de simples. Era de taipa e coberta de palha de palmeira babaçu. O terreiro era grande, bem varrido e cheio de criações. Tinha muita galinha, e até uns porquinhos fuçando a terra. Do quintal da casa se levantava um cheiro forte de caju. Um frondoso cajueiro estava cheio de frutos maduros e as pipiras se fartavam deles.  A lembrança do cheiro de caju maduro e a festa das pipiras não permitiram esquecer aquela tarde dos meus   idos sete anos de idade.

Lembro de quando minha mãe chegou comigo, contou o problema e o rezador/benzedor pediu que eu tirasse a alpercata e firmasse o pé, do lado da íngua, no chão. Depois, com uma faca de cabo de chifre de boi riscou ao redor e tirou a medida. No desenho do pé, ao mesmo tempo em que movia os lábios com uma oração ininteligível, fazia pequenas cruzes.  Terminado o ritual, minha mãe agradeceu ao mestre e fomos embora. Não demorou muito eu já estava correndo pelos quintais da vizinhança novamente.

Era assim, sem médico ou fármacos o jeito era apelar para fé na forma de rezas, chás, banhos e unguentos.

Tenho uma cunhada que é estudiosa dessas tradições.  Tanto que já apresentou, a convite de uma instituição de ensino, um trabalho cientifico sobre o tema, em terras portuguesas. É, há ciência escondida também nesses costumes.

E o encantador de serpentes do título do texto?   Não posso esquecer dele! Eles ainda existem. Fragmentos dessa antiga tradição ainda são encontrados em algumas regiões do Maranhão. Conheci um, logo no início da pandemia do coronavirus, em São Raimundo das Mangabeiras, no sul do Estado. Fiquei curioso quando um sobrinho por afinidade disse que iria procurá-lo, depois de perder uma vaca de leite e três cabras, vítimas das picadas das serpentes. Já tinha dado certo uma vez, daria outra, contou ele.

Na casa do encantador de serpentes era um entra sai de pessoas da comunidade. Quando cheguei com o sobrinho ele estava “alinhando a arca de um vizinho”.  Todo animado, com uma velha camisa ele tirava as medidas do “paciente”

- Tá vendo aqui, ó. Tem uma diferença grande. Vamos ajeitar isso, agora! -

A arca caída, espinhela caída ou peito aberto, é uma doença (popular) que se caracteriza por forte dor na boca do estômago, nas costas e pernas, seguida de cansaço anormal. Pois o encantador de serpente garantiu, ali na minha frente, que com sua reza deixava qualquer um curado.

E o que ele iria fazer para “expulsar” as cobras da fazenda do meu sobrinho? Cobrou R$ 300,00, mas disse que daquela vez não poderia, como da outra, ir até a terra porque já tinha uma viagem marcada. O encantamento daquela vez seria remoto, como tudo no País no primeiro semestre de 2020.

-Mas, não se preocupe. Vou fazer o serviço daqui mesmo!  Garantiu, ao fechar o negócio.

Numa rápida conversa com o mestre das cobras ele me disse que aprendeu o oficio de rezador e encantador de serpentes com o avô, e que já estava preparando o filho para sucedê-lo. Gabou-se também de que ninguém nunca reclamou dos seus serviços.

E qual foi o resultado da empreitada da expulsão das cobras?  Cinco meses depois, já em Imperatriz, ocorreu-me de ligar para meu sobrinho para perguntar.  A resposta foi na bucha.

- Sumiram!  Nunca mais perdi uma vaca. Agora temos um encantador remoto de serpentes na cidade. 

-

*Elson Araújo é Jornalista, Advogado, Escritor, membro  da Academia Imperatrizense de Letras, e colaborador do Jornal AGORA Santa Inês

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 11/09/2021

Visitas: 40

Palavras-chave: O ENCANTADOR DE SERPENTES

Fonte:

Big Systems
9881118 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 20 do mês 09 de 2021