• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - IMPRENSA: QUARTO PODER OU QUARTO DO PODER?

IMPRENSA: QUARTO PODER OU QUARTO DO PODER?

I IUm professor disse-me ficar impressionado com o tanto de asneiras que jornalistas, sobretudo os do interior, dizem ou escrevem, tentando justificar-se perante (e)leitores. Segundo ele, esses jornalistas, no exercício da profissão, fazem defesas profissionalmente escandalosas e eticamente indefensáveis de candidatos ou pré-candidatos. Parecem não ser jornalistas, mas advogados, tal o mandato de procurador que parecem ter recebido, a fé sem obras que professam, a mão sobre a Bíblia que não treme e o rosto  -- cínico --  que não mexe, o rosário de louvaminhas que desfiam, a cessão de espaço e até do próprio nome e personalidade por 30 moedas.I I IO leitor sabe, ou sente, quando os textos são feitos “de encomenda”. Sabem quando jornalistas passam a ser officce-boys. Enganam-se os jornalistas que acham que enganam os outros: eles estão é enganando-se a si mesmos, e a contragosto. Sim, a contragosto mesmo, pois, fosse conquistada nos municípios interioranos a sonhada independência editorial, tudo o quanto se vê e lê em jornais e televisões seria muito, mas muito diferente mesmo. Se políticos e proprietários soubessem o que é dito deles, fora das redações... Porque, em mesas de bar, em conversas frente a frente, a opinião é bem outra. Mas, de tanto enganarem os outros, políticos e proprietários não estranham esse jogo de enganação, de embromação, de mise-en-scène, de encenação. A lógica é essa: me enganem, desde que falando bem de mim, desde que a mentira me seja favorável. Me enganem, que eu gosto.I V Mas jornalistas-camaleões, que mudam de cor comportamental e profissional de acordo com o “ambiente” que os remunera, devem saber que não estão enganando os leitores. Reforce-se: estão enganando-se a si mesmos e, sobretudo, tornando menos acreditada essa instituição que é a Imprensa, o Jornalismo.V Assim como certos políticos fizeram e fazem e vão continuar fazendo, isto é, desacreditando a Política, igualmente certos jornalistas, como hábeis multiplicadores do que não presta, vão competentemente desgastando esse inimigo da corrupção, bastião da nacionalidade, baldrame da cidadania, fundação da sociedade, sustentáculo da democracia  -- que é a Imprensa. Porque jornalistas são as pessoas mais competentes para matar o Jornalismo. Eles são, ao mesmo tempo, filhos e arrimo dele: nascem dele e o sustentam  -- ou, se quiserem, lhe tiram a mesada.V I A Terra tem cinco bilhões de anos; a vida, 600 milhões; os primeiros primatas surgiram há 70 milhões, e os primeiros hominídeos (de onde provêm os atuais seres humanos) apareceram há 2,5 milhões de anos. Pois bem, nestes dois milhões e quinhentos mil anos, muitos seres humanos vêm reconfirmando que a darwiniana strugle of life, a luta pela vida, pela sobrevivência, não tem valor --  tem preço. Assim, em nome do “dicumê”, em nome do alimento, pessoas se coisificam e ligam a mínima para a única característica que nos diferencia dos demais elementos vivos da natureza: consciência.V I I Alguns chegam à pachorra de dizer que são “profissionais”  -- e, em nome desse “profissionalismo”, desvirtuam a própria profissão. No caso de pessoas que trabalham com Comunicação Social em tempo eleitoral (2018 vem aí...), trava-se uma batalha entre bolso e consciência  -- e como até em ordem alfabética “bolso” vem em primeiro lugar... Atenção: nada de juízos apressados, falta de memória ou falhas de raciocínio: Não se está, aqui, dizendo que comunicadores, jornalistas, não devam trabalhar para candidatos  -- até porque comunicação deve ser feita ou orientada por comunicadores. O que se deplora é o absoluto desrespeito, senão desprezo, pelos princípios  -- que não deveriam ter fim  --  do Jornalismo. Certos “profissionais” nem parece que trabalham para um candidato; parecem ser “o” próprio candidato, tal a catarse, a simbiose que deixam transparecer em textos e atitudes. Nem parece que vestem a camisa: carimbam a pele, tatuam a alma... até serem expurgados e jogados na rua de novo e, aí, como a personalidade não tem valor (tem preço) ficam à espera e à espreita de uma nova oferta, inclusive de quem antes fora vítima de seus ataques. Afinal, é um “profissional”...V I I INos lugares onde se faz jornalismo que respeita o leitor / ouvinte / telespectador / internauta, o veículo de comunicação que defende um candidato dá a conhecer a seu público, em editorial, sua posição. Diz que, comparados o passado, o histórico, as idéias, os programas etc., fez opção por determinado nome, mas continuará a respeitar a profissão e os consumidores, fazendo a cobertura de todos os candidatos. Jornais de vergonha fazem isso porque sabem que, ao final, quem os sustenta são os leitores, não eleitores. Perde a fibra profissional, a veia jornalística, o veículo de comunicação que acha que leitor é esgoto eleitoral e nele despeja material explicitamente propagandístico travestido de notícias, editoriais, opinião... Quanto esforço, meu Deus, para enganar a si mesmo! Não deveriam ser jornalistas, mas doceiros, confeiteiros, tanto que se acreditam os reis da cocada (qualquer que seja a cor dela).I XJornal assim não resiste ao tempo. Peguem-se exemplares de épocas diferentes: não há unidade, coerência, não há o que chamam de “linha” – afora a da bajulação descarada. (E, aqui, mais um ponto de contato desse tipo de jornalismo com a política: ambos são tão “dinâmicos”...). O leitor não precisa ser jornalista para perceber o que está por trás de certas manchetes e rodapés, dos destaques exagerados e das omissões calculadas, das redações enviesadas, tortas, forçadas, como forma de chegar, de um lado, ao destinatário a quem pensam prejudicar, tripudiar, ferir, acicatar, fragilizar, e, de outro, ao destinatário a quem pensam seduzir, “abiscoitar”, convencer, justificar(-se), enganar. XJornalistas costumam dizer que a Imprensa é uma arma. Usada assim, de forma abjeta, antiprofissional, ela até pode ferir a quem se deseja ferir, mas levará juntas outras vítimas: o jornalismo e o jornalista. Quem faz da Imprensa uma arma de injustiças, favorecimentos e mau-caratismo, torna-se sua primeira vítima. Existem crimes de Imprensa e existem crimes com a Imprensa. Neste caso, o jornalista que faz ou compactua com isso, vai além do crime: ele comete suicídio. Um suicídio lento, visceral, registrado indelevelmente nas páginas impressas e na consciência expressa. Quando a tem.X IO jornalista é o profissional mais competente para fazer crescer ou para diminuir o jornalismo. Uma questão de opção. E vergonha.No dia 16 de fevereiro, Dia do Repórter, em diversos lugares e calendários, se a data estiver assinalada de vermelho... é de vergonha. E se estiver de preto, é de luto.Em qualquer situação: pêsames. A Imprensa, nesses lugares, caiu de quatro.  Não é mais o “Quarto Poder”. É, tão-só e miseravelmente, o quarto (de despejo) do Poder.  (E. S.)

Postado por: Redação Agora

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 30/04/2017

Visitas: 347

Palavras-chave: IMPRENSA: QUARTO PODER OU QUARTO DO PODER?

Fonte:

Big Systems
2266004 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 17 do mês 08 de 2017