• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - IML DEVE LEVAR ATÉ 30 DIAS PARA LIBERAR LAUDO DE THALIA MEIRELES, E É DECRETADO SIGILO SOBRE AS INVESTIGAÇÕES

IML DEVE LEVAR ATÉ 30 DIAS PARA LIBERAR LAUDO DE THALIA MEIRELES, E É DECRETADO SIGILO SOBRE AS INVESTIGAÇÕES

Os exames que foram feitos no corpo da jovem Thalia Meireles no último dia 14, no Instituto Médico Legal (IML) em São Luís, deve levar até 30 dias para serem concluídos e seus resultados serem divulgados. Pelo menos foi o que apurou o Jornal AGORA Santa Inês, junto a fontes confiáveis, ligadas ao IML. O corpo de Thalia foi levado para São Luís por seu pai biológico José Meireles da Silva, empresário do ramo de supermercados, estabelecido ultimamente na cidade de Igarapé do Meio. Thalia foi encontrada enforcada em um quarto de sua residência na cidade de Monção, pela própria mãe Francimara Rocha Mendes, na noite do dia 13 passado, por volta das 20:30h conforme BO registrado na delegacia de polícia daquela cidade, quase 24 horas depois do fato acontecido. Ainda segundo o BO, Thalia estava pendurada em uma corda enrolada no pescoço que descia de um armador fixado na parede do quarto. Francimara disse na delegacia que na casa moravam apenas ela, um filho pequeno e Thalia, fato este contestado por muitos que dizem que além dela e o casal de filhos, moravam ali também a avó da jovem, e um homem com quem sua mãe convivia maritalmente, vindo a ser padrasto de Thalia. O corpo dela foi sepultado na manhã de sábado, dia 15, em Monção sob forte comoção popular, depois que fora trazido do IML de São Luís.            O caso da jovem adolescente impactou ao mesmo tempo a população de Monção, onde ela morava, de Igarapé do Meio, onde teria morado com o pai biológico, e de Santa Inês onde ela chegou também a morar e estudava. Ademais ganhou as mídias estaduais, principalmente as ditas redes sociais, onde se publicou de tudo sobre o caso, inclusive o texto de uma carta que teria sido escrita à mão, e deixado por ela, mas cuja cópia original não se tem notícia. Diante de tamanha tragédia, a Polícia Civil entrou no caso e a Secretaria de Segurança do Estado, teria prometido que irá investigar minunciosamente o mesmo para descobrir em que circunstâncias ela teria tirado a vida, e se é verdade que ela teria sido abusada pelo “pai” nos últimos anos, conforme relatou a mãe dela no BO registrado na Delegacia de Polícia de Monção, e estaria descrito na suposta carta deixada por ela. Os exames do IML também vão ajudar a esclarecer muita coisa.

OUTRAS INFORMAÇÕESO

AGORA apurou ainda, que a polícia já ouviu muitas pessoas e que ouvirá  o pai biológico de Thalia José Meireles, sendo que a oitiva dele será a última, e que toda a investigação está sendo comandada pela Delegacia Regional de Santa Inês onde inclusive estão sendo feitos os procedimentos, e não em Monção. Apurou também ontem à tarde, que as investigações sobre o caso estão bem adiantadas, a PC já se encontra com toda a documentação pertencente a jovem Thalia, e segue investigando com rigor e dentro dos prazos previstos, para esclarecer os fatos. A informação obtida pelo AGORA dá conta de que foi decretado pelo Ministério Público e pelo Judiciário, que as investigações sejam mantidas sob sigilo (segredo de Justiça) até o final da mesma, quando só então serão liberadas para a imprensa. Por outro lado, o pai de Thalia, José  Meireles, nega peremptoriamente que tenha abusado sexualmente ou assediado sua filha em qualquer momento. Amigos próximos dele dizem que acreditam em sua inocência. A Câmara de Diretores Lojistas de Santa Inês – CDL, divulga uma nota nesta edição, onde volta a ratificar que acredita na inocência de Meireles, ele é um dos diretores da CDL, e já presidiu o Sindvarejo e a Associação Comercial de Santa Inês. Em sua nota a CDL  afirma que repudia “toda e qualquer veiculação de notícias publicadas e/ou compartilhadas por meio das redes sociais, a respeito dos motivos que levaram Thalia Meireles a cometer suicídio, e que envolvam levianamente o nome de seu genitor, neste momento de luto e dor”. A nota lembra que é “Imperioso ressaltar que a Constituição Federal/88 prevê em seu Art.5°, LVII: "...que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória".

POST TEVE MILHARES DE VISUALIZAÇÕES 

Na tarde de sábado passado, depois que o AGORA ouviu o delegado Ederson Martins, leu o que seguia publicado nas redes sociais, inclusive o texto da suposta carta, e consultou os advogados do Sistema AGORA de Comunicação, publicou uma matéria em seu site, que foi acessada milhares de vezes pelos internautas, tendo contabilizado até a tarde de ontem, quase 7 mil visitas à matéria. Nela  está clara a conduta do Jornal AGORA Santa Inês de só divulgar fatos com o mínimo de documentos ou informações que salvaguardem a linha editorial do mesmo, mas que não deixe de informar aos seus ávidos leitores. O jornal lamenta profundamente o triste episódio que tirou a vida de Thalia, e afirma que se houver alguém envolvido no fato em si, e isso vier a ser constado e afirmado pela Polícia Civil que está investigando o caso, dará nomes e publicará fotos dos envolvidos no caso. “Nos abstemos de publicar fotos da adolescentes neste momento, devido a Recomendação do Ministério Público, que respeitando o que determina o ECA – não permite nem mesmo que publiquemos as inicias de menores envolvidos em situações de violência. Em razão disso, este Jornal respondeu a um processo no ano passado junto à Procuradoria de Justiça Estadual, onde inclusive fora penalizado, e responde a outro processo na Justiça comum, movido pelo Ministério Público por ter publicado a foto (mesmo com tarja preta cobrindo-lhes os rostos) dos dois menores envolvidos em um homicídio em São Luís, que foram presos em Santa Inês. Diferentemente das redes sociais, o jornal tem uma situação jurídica constituída, é uma empresa privada (não é concessão pública) e está sujeito a penalidades impostas pela Constituição Federal. Daí que, por orientação de nossos advogados, não publicaremos (ainda) nem a foto da menor, e nem o texto da carta, cuja autoria seria dela”.

 

 

Postado por: Paulo Silveira

Categoria do Post: A-Cidade

Data: 19/04/2017

Visitas: 1803

Palavras-chave:

Fonte: Redação Agora / Delegacia Regional

Big Systems
2486673 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 22 do mês 10 de 2017