• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - CHIQUINHO FRANÇA, NA PRIMEIRA PESSOA

CHIQUINHO FRANÇA, NA PRIMEIRA PESSOA

GRATIDÃO

“Assistindo o programa REPÓRTER MIRANTE sobre a história da Rádio Mirante AM no Maranhão, passou também na minha cabeça o filme da minha história de parceria com esta emissora. Nasci em 1963 em um lugarejo chamado “Fazenda Catânha”, hoje já não existente, era localizado entre as cidades de Santa Inês e Bom Jardim no Maranhão.  Filho de Dona Maria Lopes 93 anos, lúcida e graças a Deus ainda conosco, e meu pai, o lavrador Antônio Costa que já está no céu com nosso Deus. Estes dois humildes cristãos tiveram onze filhos. Eu, e meus irmãos, fomos ensinados e disciplinados a respeitar as pessoas e a cultivarmos em nossos corações amor pelas pessoas e gratidão pelos benefícios e favores recebidos por elas. Além dos estudos, também nos ensinaram trabalhar como ambulantes, vendendo lanches nas ruas, rodoviária e feiras municipais produzidos pela minha mãe. Somente nas horas vagas do trabalho e da escola eu tinha tempo para brincar e ouvir música que apaixonadamente tentava aprender tocar alguns acordes, intensificando o sonho de ser artista.

Apesar das grandes dificuldades, minha vida tem sido desde o início traçada com muitas esperanças, para aliviar as dores das árduas lutas e quedas, sempre apareceram milagrosas e abençoadas parcerias que me auxiliam na recarga de força para seguir em frente. Acredito que essa força é divina, provém das orações da minha mãe que, com muita fé, Terço na mão e joelhos no chão, consegue acesso e créditos de proteção dos céus para toda a nossa família, por isso tenho sobrevivido às turbulências que ameaçam os sonhos de um artista pobre, que se dispôs trabalhar com música de qualidade.

PARCERIA COM A MIRANTE

Dentre tantas e muitas parcerias que tive e tenho, quero destacar publicamente o SISTEMA MIRANTE, que tem sido a mais importante parceria na minha carreira artística. A primeira vez que apareci na TV como artista solo, foi em 1988 no programa ARTE NATIVA apresentado pelo saudoso Editor de Cultura Luiz Brasília. Um  programa dinâmico, diferente e criativo que  me deu a oportunidade de apresentar meu trabalho como instrumentista para a cidade de Imperatriz e toda região tocantina. A partir dali, comecei a receber elogios do público e isso me motivou seguir carreira solo, deixando de trabalhar como músico guitarrista nas bandas de bailes da cidade.

PRIMEIRO DISCO E RECONHECIMENTO

Em 1991 gravei o meu primeiro disco, o LP NOVOS TEMPOS, um disco mesclado com músicas vocalizadas e instrumentais, incluí no disco a música FILHOS DA PRECISÃO de Erasmo Dibell numa versão instrumental, ficou diferente e interessante, a ponto de ser selecionada para ser abertura do programa MPM da Rádio Mirante FM em São Luís durante aproximadamente dez anos. Um programa específico da música Maranhense, apresentado pelo locutor e músico César Roberto.  A chancela de ter uma música tocando toda semana na Rádio de maior audiência na capital, me rendeu projeção como guitarrista em todo o estado. Com isso fui convidado pelo empresário e presidente do SISTEMA MIRANTE Fernando Sarney, a me mudar para São Luís onde logo me ofereceu o patrocínio integral da gravação do meu primeiro CD instrumental. Tudo certo, fui feliz na escolha do repertório, nos arranjos, execução e interpretação, este disco abriu muitas portas, me colocou perante a opinião pública como um dos bons instrumentistas brasileiros. Fui várias vezes premiado pela Rádio Universidade (UFMA), fui condecorado com o prêmio ANGAR da cidade de Natal – RN, destaque melhor instrumentista do Nordeste e todas as dez músicas do CD foram utilizadas pela Rede Globo no Brasil e em mais de 100 países, como trilhas sonoras nos programas: Globo Reporte e Fantástico.

LEAL + IDADE = LEALDADE

Depois de tudo isso a Mirante continuou dando apoio com as coberturas jornalísticas em todos os meus shows com produções próprias, arriscando bilheterias, bem como as divulgações dos meus CDs no Rádio, TV e Jornal. Depois de ter conseguido confiança através do meu trabalho, fui convidado para ser o produtor e arranjador oficial de todos os festivais de música realizados pela MIRANTE no decorrer dos últimos vinte anos, trabalho que me aproximou ainda mais dos artistas e produtores maranhenses.  Como um pequeno haver e contra partida, venho aproveitando as oportunidades para produzir as trilhas sonoras de abertura dos programas jornalísticos da TV. É claramente sabido por todos os maranhenses, que o Sistema Mirante apoia sem distinção, todos os artistas dos vários seguimentos culturais, basta atentar para os telejornais  que assistirá reportagens sobre arte e cultura diariamente. Por se tratar da maior empresa de comunicação do Maranhão, é claro que saiu ganhando nesta parceria. Foi uma grande oportunidade para aquele garoto pobre citado no começo desta história. Quantas vezes me surpreendi com a facilidade de conseguir fechar acordo com os diretores dessa emissora, seja no setor comercial, ou de jornalismo, até que um dia, um funcionário amigo meu me contou; fui recomendado por Fernando Sarney numa reunião rotineira da diretoria, a ser atendido com atenção e carinho por se tratar de uma pessoa amiga, de bom caráter e talentoso, pediu que toda equipe me ajudasse. ISSO NÃO TEM PREÇO!

Vou encerrar aqui dizendo que, todo este apoio de parceria dispensado à minha pessoa, tem sido sem nenhum tipo de cobrança, seja política ou comercial, nunca fui impedido de tramitar em qualquer governo, nem aceitar parcerias de empresa ou pessoa física, como também nunca fui obrigatoriamente convocado a fazer campanhas políticas, nem dar depoimento a favor de candidaturas. ISSO É RESPEITO!

SEM PESO POLÍTICO

Ressalto aqui que pensei muito antes de escrever este relato e declarações. Sei que pode dividir opiniões, principalmente políticas, isso certamente aumentará ainda mais a dificuldade de tramitar como artista e produtor atuante da música maranhense nas atividades culturais do Maranhão de hoje. Minha música e minhas ideias de projetos pessoais e coletivos são muito admiradas pelas autoridades culturais. Porém, quando se trata de alusões a preferências políticas, os projetos são arquivados. Exemplo disso é o SOMMARÁ NO RIO.  Apesar da relevância e necessidade, foi por preferências exclusivamente políticas, fato inadmissível quando se trata de alavancar a música de qualidade do Maranhão, independentemente de fatores condicionantes, sejam políticos ou de administrações públicas anteriores. Outro exemplo é o projeto FABER que certamente iria fomentar e ajudar a nossa música com o resgate deste grandioso festival realizado nos anos 80, em Imperatriz. Esse pior ainda. Não recebeu apoio público por ter sido realizado em outros tempos e em outras gestões políticas. Tal fato deu-se por total desconhecimento da história, pois mal sabem os atuais gestores culturais, que o FABER foi um projeto particular, realizado e custeado com patrocínios de empresas e arrecadação de bilheteria. Eu seria injusto e ingrato se topasse negar e romper amizades e parcerias por qualquer outro interesse. Estaria indo contra meus princípios e os ensinamentos da minha Mãe. O sonho continua...”

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Musica

Data: 19/05/2018

Visitas: 1501

Palavras-chave: CHIQUINHO FRANÇA, NA PRIMEIRA PESSOA

Fonte:

Big Systems
3997726 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 12 do mês 12 de 2018