• Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
  • Agora Santa Inês -
Agora Santa Inês - Timidez

Timidez

Retraídos, acanhados, temerosos, inseguros e introspectos, esses são alguns atributos dos tímidos, pessoas que desde cedo na vida têm dificuldades relacionais de diferentes proporções, especialmente, quando esses se expõem em contato social. São traços que se manifestam por insegurança persistente, incomodativas e duradoura que tendem a aparecer de forma vigorosa em relacionamentos. São pessoas, que em geral, pouco falam, são introspectas, pouco sorriem se retraem.

A timidez, sempre foi objeto de inúmeros estudos em diferentes áreas do conhecimento, sobretudo no aspecto psicológico, psiquiátrico e ou comportamental. Sempre despertou muitos interesses nas ciências do comportamento por ser um comportamento comum entre muitos. Estudos demonstram que 50 % da população são de tímidos. É uma condição que provoca muito problemas pessoais, emocionais e relacionais, além de sofrimento e desrealização a essas personalidades.

Mas, o que vem a ser timidez? São inúmeras as contribuições de psicólogos, neurocientistas, psiquiatras ou de outros estudiosos sobre o melhor conceito sobre o que seja timidez. Abaixo algumas definições de timidez: “um estado elevado de individuação caracterizado por preocupação excessiva egocêntrica e preocupação excessiva com a avaliação social, com a consequência de que a pessoa tímida inibe, retira, evita e escapa interações sociais” (Zimbardo, 1982).

William James, (1890) consideravam a timidez como um instinto humano básico. Seguindo Darwin,  Izard (1972) descreveu a timidez como uma emoção discreta e fundamental. Um perfil de emoção em uma situação "tímida" inclui interesse e medo, que interage com a timidez (Izard, 1972). Carver e Scheier (1986) definiram timidez na auto regulação termos, com expectativas desfavoráveis de resultados sociais que levam ao desengajamento em esforços de tarefa.

Segundo esses autores a timidez envolve desconforto, mal estar e motivação para fugir de situações que contribuem para isso, porém reconhecem, que a timidez por si só não envolve necessariamente emoção ou evitação problemática de metas importantes para a pessoa tímida.

Entre as definições de timidez, observa-se, nesses contextos, que ela é causa e consequências de fatores endógenos, ambientais e sociais os quais definem o perfil comportamental e o desempenho social dessas pessoas. Um aspecto relevante é que a timidez pode ser um traço caracterológico inato, endógeno e já aprece desde a mais tenra infância e se desenvolve de forma lenta e duradoura no curso da infância e adolescência e se mantém ao longo da vida adulta.

A timidez influencia e define a forma dessas pessoas veem, interpretarem, reagem e interagem com o mundo e com os outros em sua volta.  Se voltam mais para dentro de si mesmos que para fora. Isso faz com que o tímido veja o mundo em sua volta com retraimento. Uma marca importante nesses comportamentos é a desconfiança e a insegurança. São personalidades, frágeis, inseguras e desconfiadas. Não se dão por inteiro e suas relações são incompletas, pois o fazem de forma retraídas. A maior das consequências no universo dos tímidos é nas relações sociais.

As expectativas dos tímidos, do ponto de vista profissional e funcional estão sempre em consonância com suas dificuldades pessoais, emocionais e com suas expectativas. Preferem profissões ou atividades, sem muita conversa e que os mantenham isolados. Dá preferências as atividades, com pouco relacionamento diretos. São mais subordinados aos chefes, cobram pouco, especialmente de forma expressiva. São atentos no que fazem o sempre procuram as melhores condições para fazê-lo reservados em suas iniciativas, são reservados e fazem poucas exigências. São condições psicológicas e comportamentais que aparem em graus variados em tímidos onde a presença dela nessas pessoas, pode amargurara-los, restringir suas liberdades e produzir comportamentos restritivos e inexpressivos os quais podem levá-los a se sentirem irrealizados e infelizes.

Nessa perspectiva, não se pode dizer que timidez é sinônimo de doença mental ou comportamental, quando a mesma evolui o suficiente para desorganizar um comportamento, em diferentes níveis de profundidade na vida de alguém, algumas características  da timidez pode ser um traço relevantes de doença mental, como é o caso da Fobia Social, um transtorno mental relacionado à ansiedade social que traz sofrimento e sentimento de incapacidade, prejudicando o sujeito no âmbito acadêmico, profissional e social. Essa condição está no rol da psicopatologia da ansiedade e o comportamento retraído em circunstâncias específicas é um traço notório.

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-V / 2013, a Fobia Social representa um medo patológico e excessivo que ocorre quando a pessoa é exposta a situações sociais (contatos interpessoais) ou de desempenho (comer, beber em público, por exemplo) resultando numa resposta de ansiedade e sofrimento. As pessoas que sofrem desse tipo de fobia acreditam que quando expostas a essas situações, sofrerão críticas negativas ou serão ridicularizadas, podendo reagir de forma variável, suportando o fato mesmo com intenso medo ou chegar a desencadear um ataque de pânico.

Na Classificação Internacional das Doenças Mentais - CID-10, da Organização Mundial da Saúde - OMS, a Fobia Social, também denominada de Antropofobia, tem como sintomas presentes: o rubor, tremores das mãos, náuseas ou desejo urgente de urinar, sudorese, podendo evoluir para um ataque de pânico (OMS, 1993).

Os índices de acometimento dessa patologia são maiores na população feminina, devido ao fato de que, distúrbios ansiosos são mais frequentes em mulheres, atingindo em menor número a população masculina. Geralmente surge na adolescência (entre 15 e 20 anos), acentuando-se na fase adulta, o que não desconsidera o seu acometimento em crianças. A diferença nessas fases do desenvolvimento estaria no reconhecimento que há, pelos jovens e adultos, da falta de fundamento dos seus medos, o que não acontece com o público.

Além dos sintomas próprios da Fobia Social, a existência de outros transtornos psiquiátricos, que pode também cursar com a timidez, a depressão e o uso abusivo do álcool e drogas, são os mais frequentes, ambos representam os meios ideais de reduzir, mesmo momentaneamente, a ansiedade, que ocorre, principalmente, quando o início dos sintomas é na infância e adolescência.

Postado por: Redação Agora 03

Categoria do Post: Entretenimento

Data: 04/01/2019

Visitas: 54

Palavras-chave: Timidez

Fonte: Por Ruy Palhano

Big Systems
4129256 visitas no Portal www.agorasantaines.com.br hoje 18 do mês 01 de 2019