/Cidade
16/01/2013 12h01

Cinco anos do covarde assassinato de Caco Cesarini

Caco Cesarini tinha apenas 25 anos

Na última segunda-feira, dia 14, completaram-se cinco anos do brutal e covarde assassinato do jovem Caco Cesarini Flores Silveira, na época com 25 anos. Ele foi morto com um certeiro golpe de faca que lhe foi desferido por Patrick Dantas Custódio por volta das 2 horas da madrugada, quando ele se divertia em um bloco carnavalesco na Rua Nova, centro da cidade. O autor do assassinato teria premeditado o crime pois, antes de praticá-lo, teve uma discussão com Caco nas proximidades da Praça da Matriz.

O crime chocou a população de Santa Inês que foi às ruas dias depois pedir Justiça. Patrick Dantas, que foi preso em flagrante quando fugia depois de matar Caco, ainda passou uns dias na cadeia, mas foi colocado em liberdade pelo Tribunal de Justiça em uma decisão do desembargador Lourival Serejo, e continuou desfilando pelas ruas e praças da cidade de Santa Inês como se nada tivesse acontecido. O corpo de Caco Cesarini, depois de velado durante todo o dia 14 de janeiro de 2008 por cerca de mais de mil pessoas que passaram por sua residência, dentre elas muitas autoridades políticas, administrativas e policiais, foi levado para ser sepultado em Curituba-PR, sua terra natal. Ele era filho de Raimunda Madalena Silveira, a Leninha e Saulo Gomes, e era sobrinho do diretor do Sistema AGORA de Comunicação, Clélio Silveira Filho e do empresário Gilberto Brito entre outros tios que ele tinha.

Anos depois (em 2010) o matador de Caco Cesarini, Patrick Dantas foi a júri popular e o resultado do julgamento deixou todos atônitos: Patrick sabe-se lá porque, foi condenado a apenas 7 anos e meio de prisão (?) em regime semi-aberto (o que revoltou mais ainda a população de Santa Inês e os familiares da vítima), sendo que até o presente momento, passados mais de dois anos de seu julgamento, não cumpriu um dia sequer da tal prisão. Vive pelas ruas e bares da cidade, a desafiar a sociedade.

Porque está solto? Porque ainda não foi para Pedrinhas? São as “brechas” da Justiça, que o mantém livre e solto, ou a falta de empenho da própria Justiça para fazer justiça? Hipótese essa que preferimos não debitar a ela tamanho descompasso, mas que nos deixa a questionar o porquê de tanta gente aqui em Santa Inês, mesmo cometendo crimes bárbaros, como o caso de Patrick e de Jonathan Sousa, considerado pela TV Record o maior matador do Brasil – agora preso em uma penitenciária de segurança máxima, que depois de matar friamente dois ou três pais de famílias em Santa Inês, foi preso pela polícia e dias depois solto pela Justiça para cometer mais crimes, até o dia em que matou um jornalista na capital, deu de cara com a força máxima da polícia do Maranhão em seu encalço prendendo-o depois uma grande mobilização – muitos aqui conseguem viver em liberdade até mesmo depois de condenados?

Patrick Dantas o matou com um golpe certeiro de faca no peito esquerdo

Neste dia 14 de janeiro, Leninha a mãe de Caco Cesarini, que nunca mais conseguiu ter saúde e se equilibrar emocionalmente nos enviou a mensagem que publicamos abaixo, e que retrata a saudade que ela sente de seu filho querido que tombou diante de centenas de pessoas, morto covardemente por Patrick Dantas:

“Senhor eu te agradeço por mais um dia, por enxugar minhas lágrimas, pois hoje faz exatamente 5 anos que covardemente arrancaram meu filho de mim, e a única coisa que não foi feito foi justiça. Infelizmente nesse país só fica preso ladrão de galinha. Direitos humanos só existe para o delinqüente, assassino e os bandidos de colarinhos branco.

Só posso dizer que a dor nunca passou. Que se não fosse Deus, eu teria ido com meu filho naquele dia. A saudade dele e a certeza que nunca mais verei aquele sorriso, que não sentirei mais o seu cheiro e que não ouvirei mais a sua voz me chamando mãe e dizendo eu te amo, me dá tanta revolta... e a dor é tão grande que rasga o meu peito!

Hoje eu nem sei mais quem sou, só sei que estou muito mal, a vontade é de sair andando sem destino”.