/Polícia
15/01/2014 11h32

JUSTIÇA MARCA NOVO JULGAMENTO DO ASSASSINO DE CASO CACO CESARINI

Caco Cesarni foi brutalmente assassinado em 2008, aos 25 anos. Patrick Dantas, assassino de Caco, continua em liberdade

                                Ontem (14), o caso Caco Cesarini, um dos crimes que mais chocou Santa Inês completou seis anos e deve voltar a ser pauta na justiça com julgamento do assassino, Patrick Dantas Custódio, que deve sentar novamente no banco dos réus no dia 18 de fevereiro, às 09h no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vereadores. O sorteio dos jurados deve acontecer no dia 05 de fevereiro, às 10h, no Fórum do município.
Caco Cesarini Flores Silveira, na época com 25 anos, foi brutal e covardemente assassinado com um certeiro golpe de faca que lhe foi desferido por Patrick Dantas Custódio por volta das 2 horas da madrugada, quando ele se divertia em um bloco carnavalesco na Rua Nova, centro da cidade em 2008. O autor do assassinato teria premeditado o crime, pois, antes de praticá-lo, teve uma discussão com Caco nas proximidades da Praça da Matriz. Patrick Dantas foi preso em flagrante.
Caco era filho de Raimunda Madalena Silveira, a Leninha, e Saulo Gomes, e era sobrinho do diretor do Sistema AGORA de Comunicação, Clélio Silveira Filho e do empresário Gilberto Brito, entre outros tios que ele tinha. O corpo de Caco foi levado para ser sepultado em Curitiba-PR, sua terra natal.
Patrick Dantas, que foi preso em flagrante quando fugia. Ele passou alguns dias na cadeia, mas foi colocado em liberdade pelo Tribunal de Justiça em uma decisão do desembargador Lourival Serejo, e continuou desfilando pelas ruas e praças da cidade de Santa Inês como se nada tivesse acontecido.
Julgamento
Em 2010, o assassino de Caco foi a júri popular foi condenado a 7 anos e meio de prisão em regime semi-aberto, o que causou grande revolta na população de Santa Inês como um todo. No entanto, nem mesmo esta pena, considerada branda para a brutalidade do crime, foi aplicada.
O resultado do julgamento foi contestado em outubro de 2012 pelo Ministério Público Estadual na 1º Vara da Comarca, sob alegação de que a decisão dos jurados tereia ignorado todas as provas produzidas levando em consideração apenas as alegações do réu. O pedido de anulação da sentença foi aprovado pelo desembargador Froz Sobrinho, que designou que Patrick Dantas deva ser submetido a novo julgamento. Enquanto isso, ele permanece em liberdade.
Dor
Ontem, a mãe de Caco, Leninha, publicou em sua página do Facebook uma nota de pesar e falou sobre a perda do filho: “Hoje fazem exatamente 6 anos sem o meu amado filho, Carlos... A saudade do meu filho que foi covardemente arrancado de mim, é a dor de todas as dores. Pensei que pudesseesconder tal dor mas, no fundo dos olhos o brilho se apagou, e a lágrima é a dor que transborda, que afoga e sufoca. Todas as vezes que me deparo com um jovem que tem a mesma idade que a dele hoje, fico a imaginar como ele estaria... A angustia que sinto ao recordar o seu sorriso, brincadeiras, sonhos, teu carinho especial por mim, e a falta que você me faz e de como meu filho se foi tão cedo, às vezes me faz fraquejar. Porem, surpreendentemente, Deus com seu infinito amor,  me concede uma força inexplicável, força para ir em frente com a determinação de quem não se entregou a maior dor que uma mãe pode sentir... a dor de ficar sem o seu próprio eu.”
Tanto a família da vítima, quanto a população em geral esperam que no próximo julgamento, agendado para o dia 18 de fevereiro, o assassino de Caco Cesarini receba a devida punição.